Publicidade

Correio Braziliense

Entenda as estratégias que levaram Anitta ao topo

Ao adotar uma série de estratégias, Anitta se tornou a brasileira de maior destaque atualmente no mercado estrangeiro


postado em 16/01/2018 06:30 / atualizado em 15/01/2018 19:38

Anitta no clipe mais recente Vai malandra(foto: Reprodução/Instagram)
Anitta no clipe mais recente Vai malandra (foto: Reprodução/Instagram)

 
A cantora Anitta estourou no Brasil em 2013 com o hit Show das poderosas. Antes, Larissa de Macedo Machado, nome de batismo da artista, já era um sucesso no cenário funkeiro com gravações da Furacão 2000, espécie de gravadora independente responsável por disseminar as músicas e os artistas do funk. A partir daí, Anitta assinou com uma gravadora, tirou o termo “MC” do nome artístico e começou a misturar a batida do funk com outros ritmos, ganhando um ar mais pop. Com isso, a artista conquistou um espaço de destaque na música brasileira.

Há dois anos, Anitta resolveu aumentar o leque de inserção no mercado musical. A carioca decidiu se aventurar no território internacional, o que diversos artistas brasileiros já haviam tentado fazer, mas sem obter o mesmo resultado, a exemplo de Ivete Sangalo, Claudia Leitte, Sandy & Junior e Luan Santana, que gravam faixas em outras línguas e fizeram turnês em diversos países. Porém, a empreitada da funkeira deu certo, com lançamento de músicas em inglês e em espanhol contando com a participação de nomes internacionais.

Anitta divulgou faixas com Iggy Azalea (Switch), Maluma (Sim ou não), J Balvin (Ginza, Downtown e a próxima Machika), Major Lazer (Sua cara, com participação da drag brasileira Pabllo Vittar), Poo Bear (Will I see you), Alesso (Is that for me) e Maejor (Vai malandra, faixa em português com MC Zaac, Tropkillaz e Yuri Martins). A divulgação dessas canções colocou a brasileira em um grupo seleto ao atingir as paradas internacionais, aparecendo no Top 50 global, do Spotify, e pela primeira vez no ranking da Billboard. Ela também foi convidada para programas de rádio e televisão nos Estados Unidos e países da América do Sul para entrevistas e divulgação das canções.

Com esses resultados, Anitta se tornou a brasileira de maior destaque atualmente no cenário internacionalmente. Assim, a funkeira segue os passos de artistas como Xuxa, Nelson Ned, João Gilberto e Tom Jobim, que, de fato, figuraram no mundo da música fora do Brasil. “Não me vejo como a representante mundial da música brasileira, até porque a nossa música é múltipla, com muitos estilos diferentes e inúmeros nomes já consagrados dentro e fora do país. Sou uma cantora brasileira que está apresentando o seu trabalho também em outros países, com muito orgulho de ser daqui, mas sem a pretensão de ser o maior nome do Brasil no exterior. É uma nova fase”, declarou Anitta em entrevista no ano passado ao Correio.

Uma série de fatores levaram Anitta a atingir o espaço conquistado no último ano. Ela revelou ao Correio que se preparou muito para se lançar internacional. Estudou, entendeu as tendências do mercado fonográfico, como o destaque da música latina (daí a escolha pela batida do reggaeton em faixas como Paradinha), e planejou bastante. Dentre as estratégias adotadas pela cantora é possível enxergar conceitos, principalmente, de marketing. “Concordo que a ascensão de Anitta é um projeto bem amplo e que tem sim estratégias de marketing associadas ao sucesso. Não se pode ignorar que existe uma gravadora envolvida e que os interesses desta também estão em jogo. Além de estratégias de ativação, é possível identificar estratégias de cocriação, brand mantra e posicionamento”, analisa Maria Fernanda D’Angelo Valentim Abreu, professora da Universidade de Brasília e especialista em marketing pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Táticas

Para se lançar no mercado internacional, a cantora pop buscou primeiramente parcerias com nomes do cenário. O que pode ser visto como uma forma de fortalecimento da carreira da artista e também de projeção fora do Brasil, já que os cantores e produtores eram conhecidos internacionalmente. “Desde sua ascensão no cenário nacional, a cantora tem utilizado algumas estratégias capazes de gerar este fortalecimento. O projeto em questão (parcerias nacionais e internacionais) pode ser caracterizado como uma campanha de ativação da marca para alavancar uma carreira internacional e fortalecer uma carreira já bem-sucedida nacionalmente”, explica a professora.

Além disso, Anitta se aproximou também de marcas, como C&A, Johnson & Johson e PepsiCo para o lançamento do projeto Check mate. “Essa estratégia em marketing é chamada de co-branding, e proporciona um fortalecimento para ambas as marcas. Assim, tanto Anitta se fortalece porque conversa com seu público quanto as outras marcas se fortalecem com a aproximação da imagem bem-sucedida da cantora. O resultado disso é um reconhecimento e alavancagem de marca”, completa Maria Fernanda D´Angelo Valentim Abreu, que também destaca a presença da cantora nas redes sociais. “Anitta tem um posicionamento pop e conseguiu se firmar como um ícone da cultura pop. Trabalha com um discurso de empoderamento em várias áreas (da mulher, da favela, dos LGBTS), o que garante muita simpatia, especialmente, junto ao público jovem. Há ainda o fato dela saber aproveitar bem as oportunidades”, complementa.

O mesmo projeto, que foi encerrado no ano passado, adota uma estratégia de marketing digital. Ao perceber uma tendência da internet, a artista resolveu lançar um clipe no Youtube por mês, com uma divulgação massiva em suas redes sociais e também de influenciadores digitais, como o brasiliense Hugo Gloss. “O projeto tem uma fase de teaser, de aquecimento de conteúdo e de lançamento do clipe e das músicas. Existe também uma estratégia de usar várias línguas: português, espanhol e inglês. E trabalhar com parceiros também do mundo pop”, aponta a professora da UnB.

Outro ponto importante da carreira de Anitta está ligado ao que se explica no marketing como storytelling. A cantora construiu uma imagem que a valoriza nacionalmente e internacional e está alinhada com o discurso atual do empoderamento feminino. "Ela representa uma história muito bem construída em torno da menina humilde, que batalha e realiza seu sonho", afirma a especialista. Isso pode ser visto, principalmente, no mais recente single Vai malandra, em que Anitta aparece na favela e recusa o uso de photoshop para retirar as marcas de celulite na cena de close de sua bunda no vídeo.

Para se manter no topo neste ano, seja no Brasil ou fora dele, Anitta já tem mais um single programado. Em 19 de janeiro, será revelado o clipe completo de Machika, próxima parceira da funkeira com o colombiano J Balvin. Ou seja, mais uma chance de a brasileira figurar nas primeiras posições nas rádios e nas plataformas digitais.





Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade