Publicidade

Correio Braziliense

Webséries e fotonovelas fazem sucesso das redes sociais

Produções de Lucas Marchesini e Pedro Quevedo atraem milhares de internautas


postado em 13/02/2018 07:30

 

Foi no Instagram que Lucas Marchesini experimentou a fotonovela(foto: Lucas Marchesine/Divulgação)
Foi no Instagram que Lucas Marchesini experimentou a fotonovela (foto: Lucas Marchesine/Divulgação)

 

Para dialogar com novos públicos e criar alternativas diferentes na hora de contar boas histórias, jovens criativos investem em projetos de narrativa on-line. Entre os novos formatos estão possibilidades como fotonovelas no Instagram, webséries no YouTube e ampla utilização das redes sociais na divulgação. A interação constante mostra que o público está ávido por experimentar novos conteúdos e que a demanda é forte para produtos como esses. Acompanhando essa tendência, artistas brasilienses levam projetos criativos para as redes.


É o caso do jornalista Lucas Marchesini, 28 anos, criador da fotonovela Caprichos do Destino, que tem feito sucesso no Instagram. A ideia é tornar o projeto ainda maior, desenvolvendo as diversas potencialidades oferecidas pela internet na hora de criar narrativas, engajando e divertindo o público. “O impulso para criar o projeto surgiu quando eu vi que não havia nada similar no Instagram e ao constatar que seria possível trabalhar sozinho (mesmo que de uma forma precária). Outro motivador foi a possibilidade de usá-lo como laboratório para outras ideias, testando a reação do público”, conta Lucas.

O roteirista da webnovela conta que a repercussão foi muito boa e, melhor ainda, construtiva. Uma audiência cativa surgiu logo no princípio, inicialmente formada por amigos e familiares, em seguida por amigos de amigos, e assim por diante. A maior surpresa foi na participação por meio dos comentários, que gerou ainda mais engajamento. Com o retorno do público, Lucas adaptou o que funcionava e modificou o que parecia não funcionar tão bem para o formato.

Entre as vantagens de produzir nas redes está o contato com um público grande, que permite o alcance de uma audiência sempre em expansão. Além disso, como lembra Marchesini, a criação recente dessas plataformas deixa o campo de experimentação aberto para quem se desafia a criar possibilidades diferentes. “É um novo espaço para essas narrativas, mas não o único. Na Arte, é muito difícil uma nova invenção matar completamente o que já existia. Pelo contrário, ela se reinventa e segue em frente. Creio que o mesmo acontecerá aqui. A internet terá sua produção própria de conteúdo, o que forçará o que já existe a se adaptar”, destaca.

Pedro Quevedo apostou em webséries(foto: Pedro Quevedo/Divulgação)
Pedro Quevedo apostou em webséries (foto: Pedro Quevedo/Divulgação)


Sucesso em vídeo

Enquanto isso, o músico e ator Pedro Quevedo, 23, investe na produção de webséries para o YouTube, com o Coletivo audiovisual itinerante de séries (CAIS). A última produção, Nossos dias no céu, foi feita em Brasília e a ideia é que os próximos passos sejam no Rio de Janeiro e em Salvador. A repercussão do público é grande e o canal tem mais de 100 mil inscritos. A primeira delas, Positivos, tem mais de 10 milhões de acessos, sendo 3 milhões apenas para o primeiro episódio.

A ideia surgiu da vontade de impulsionar uma produção independente, capaz de funcionar sem investidores iniciais. “Tem gente de todo o Brasil que acompanha e isso tem até ajudado na minha carreira musical. Eu faço músicas de trilha sonora para os episódios e é preciso muito comprometimento para que tudo funcione bem na hora de gravar”, conta Pedro, que atua como produtor, diretor de arte e de fotografia do projeto.

Os roteiros e narrativas são criados por Daniel Sena, que também edita os episódios e lança na internet. Enquanto isso, Pedro se responsabiliza por reunir os atores e gravar todos os capítulos. A equipe chega a produzir 30 cenas por dia e grava durante as madrugadas se for preciso. As histórias têm influência no estilo narrativo das novelas brasileiras, com destaque para a comunidade LGBT, que não costuma ser representada com tanta força nas telas tradicionais.

“Ali mostramos a vida real, não é o gay da novela. São personagens protagonistas e, entre eles, há outros personagens de todo tipo. É essencial se comunicar o mais diretamente e intimamente possível com o público”, destaca o produtor. A ideia é buscar novas linguagens com o trabalho e dar destaque a um público diferente. A equipe abrasileirou uma linguagem já conhecida em séries de outros países tradicionalmente produtores desse conteúdo e misturou a criação com referências próprias e nacionais.

Com o apoio constante dos pais, que chegam a cozinhar para a equipe durante os dias de gravação, Pedro busca ampliar cada vez mais o alcance do projeto, gravando em novos estados e dialogando com experiências diversas. Por enquanto, o objetivo principal é aperfeiçoar o trabalho e mostrar que as narrativas on-line se expandem de maneira cada vez mais constante e profissional entre o público.



Veja mais na internet

Confira o processo criativo e de produção de cada capítulo

Fotonovela – Caprichos do Destino (Instagram)
Primeiro, esboço as linhas gerais da história a partir de uma ideia inicial que surge na minha cabeça. A ideia é sempre bem rudimentar: uma linha com algum esboço de conflito. Depois disso, desdobro esse conflito em episódios. Por fim, eu adéquo a estrutura criada a necessidades do meio, criando ritmos dentro da história, mudando o clímax para cair em determinado dia da semana e por aí vai.

Com os episódios escritos, a Alice revisa, sugere mudanças até chegarmos ao roteiro final. Com o roteiro pronto, peço para alguns amigos participarem das gravações e marcamos algum dia do fim de semana para fazê-lo. As fotos são tiradas pelo ator que não está em cena naquele episódio específico. (Lucas Marchesini)


Websérie – Positivos (YouTube)
O meu processo criativo se baseia muito em construção de personagem, em fazer uma construção detalhada da história, das características, do caráter, o que ele gosta e não gosta, o que ele quer, qual o objetivo dele. Eu tento passar isso para os atores, e, a partir daí, as cenas são feitas dentro daquele contexto. Chegamos a gravar mais de 30 cenas em um mesmo dia, atravessamos a madrugada, lidamos muito com a agenda de muita gente. O ator que tem mais disponibilidade e mais dinâmica faz o personagem crescer. A gente valoriza quem realmente quer estar presente. (Pedro Quevedo)
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade