Publicidade

Correio Braziliense

Cinco atores para ficar de olho durante a cerimônia do Oscar

Os artistas aproveitam o momento de brilho por estarem em vários sucessos da telona


postado em 28/02/2018 07:20

(foto: Montagem com fotos de: Universal/Divulgação; AFP / Robyn BECK; AFP / Daniel LEAL-OLIVAS; AFP / ROBYN BECK e Universal/Divulgacao)
(foto: Montagem com fotos de: Universal/Divulgação; AFP / Robyn BECK; AFP / Daniel LEAL-OLIVAS; AFP / ROBYN BECK e Universal/Divulgacao)

A atual temporada do Oscar impressiona pela quantidade de atores que repetem papéis de destaque nos filmes que ganharam projeção entre os nove competidores à vaga de melhor produção do ano. Onze personagens de seis títulos couberam para o desempenho de cinco atores que parecem estar em todas: dos experientes Bradley Whitford e Michael Stuhlbarg até rostos relativamente novos, como Timothée Chalamet, de 22 anos. Com tanta exposição em filmes bem cotados, natural, portanto, que a maioria deles tenha, para além do atual momento de brilho, reforço nas carreiras, como apontam os futuros projetos de cada um. Confira.

Desde 2009, o intérprete ganhou muito reconhecimento, quando protagonizou Um homem sério, da dupla Joel e Ethan Coen. Com participação na série Boardwalk Empire, Michael alçou voo em filmes que tiveram repercussão no âmbito do Oscar, entre os quais Blue Jasmine, Steve Jobs, Trumbo e a ficção científica A chegada. Ainda que, indiretamente, tenha sido tragado pelo escândalo sexual que envolveu Kevin Spacey, com o cancelamento do filme Gore — em que teriam parceria em cena, Stuhlbarg brilha em 2018: está em A forma da água, The Post e Me chame pelo seu nome. No primeiro, ele interpreta doutor Hoffstetler, e, nos filmes sequentes, vive o editor do The New York Times Abe Rosenthal e o pesquisador Perlman, que dá amplo apoio à orientação sexual do filho vivido por Timothée Chalamet.

Lucas Hedges 
Aos 21 anos, e com as perspectivas de dois filmes encadeados ao lado de Nicole Kidman e Julia Roberts. O destino promissor é de Lucas Hedges, que, um ano depois de candidato a melhor ator coadjuvante (Manchester à beira-mar) chega à cerimônia do Oscar 2018 com papéis nos filmes Três anúncios para um crime e Lady Bird, tudo a reboque de sucessos com o genial Wes Anderson (Moonrise Kingdom e O grande Hotel Budapeste). Nos dois títulos, cabem à perfeição os tipos tímidos e confusos, pouco saídos da adolescência. Além de ter promessa de trabalho com o pai, Peter Hedges (roteirista indicado ao Oscar por Um grande garoto), no longa Ben is back, Lucas estrelará Mid ´90s, estreia de Jonah Hill na direção e o segundo e polêmico filme do ator Joel Edgerton: Boy erased. Neste, fará o papel de um rapaz obrigado a passar por uma espécie de “cura gay”.

Timothée Chalamet 
O mais jovem ganhador do prêmio de ator, no destacado Círculo de Críticos de Nova York, na pele do vulnerável Elio, de Me chame pelo seu nome, tem uma carreira construída há tempos, desde 2008. Colega de sala de Ansel Elgort (Em ritmo de fuga), ambos vieram a estrelar, ao lado de Adam Sandler, o drama sobre o uso da internet Homens, mulheres e filhos (2014), a cargo de Jason Reitman. Presente em fitas como a ficção científica Interestelar (2014) e O Natal dos Coopers (2015), com Diane Keaton, Chalamet viveu ainda, na telona, o papel de um soldado, ao lado de Christian Bale, em Hostiles (2017).

Com o protagonista de Me chame pelo seu nome, o jovem ator de origens francesa e russa disparou como coadjuvante de Lady Bird: É hora de voar, outro candidato ao Oscar. No filme, ele interpreta um displicente cantor de rock, pouco atento ao amor da personagem de Saoirse Ronan. Por enquanto, os próximos passos do ator são incertos, já que está associado ao novo (e pendente) filme de Woody Allen, A rainy day in New York (2018). Mais concretas são as parcerias com o diretor David Michôd (Reino animal) e o ator Robert Pattinson (da saga Crepúsculo), no futuro The king. Além disso, ao lado de Steve Carell, ele viverá um rapaz que enfrenta doença, em Beautiful boy.

Bradley Whitford
Presente em filmes reconhecidos pela Academia, em meados dos anos 1990, como Filadélfia e O cliente, o ator de séries populares como Transparent e West Wing — Nos bastidores do poder (da qual tomou parte por sete anos) ficou marcado, este ano, por dois papéis: um em The Post e outro, bastante representativo e incômodo, em Corra!. No primeiro, ele vive o contestador executivo Arthur Parsons, pronto para desautorizar ações impulsivas da executiva de jornal interpretada por Meryl Streep. Já em Corra!, Whitford dá vida a um odiável magnata racista. Em 2019, Whitford estará ao lado de Sally Hawkins, no esperado Godzilla: King of the monsters. Antes, dupla colaboração com o colega Sebastian Stan (o Soldado Invernal), no drama de guerra The last full measure e ainda em Destroyer (com direito a Nicole Kidman no elenco).

Caleb Landry Jones
O Banshee visto em X-Men: Primeira classe (2011) cresceu. Agora, aos 28 anos, o intérprete parece ter atingido o auge, com a valorizada tríade Corra!, Três anúncios para um crime e Projeto Flórida. Vencedor, em conjunto com os atores de Três anúncios, do prêmio coletivo de melhor elenco (pelo Sindicato dos Atores, SAG), o texano ruivo Caleb Landry Jones pode ser visto em sucessos como Onde os fracos não têm vez (2007) e A rede social (2010). Depois de ser JB, em Feito na América (com Tom Cruise), o ator promete aumentar o currículo, com Friday´s child, sobre contraventores saídos de orfanato, e ainda com Welcome the stranger, sob direção do criador de filmes com abordagem gay Justin Kelly. Vale a lembrança de que o ator se dedica ao rock psicodélico, tendo, inclusive,a música na trilha do horror O último exorcismo (2010).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade