Publicidade

Correio Braziliense

Angolana Titica, que gravou com Baiana System, lança nova música

Conhecida como a 'Pabllo Vittar de Angola', a artista já tocou no Rock in Rio e está conquistando espaço na música


postado em 05/03/2018 17:40 / atualizado em 05/03/2018 17:46

Titica já tocou no Rock in Rio e gravou com a Baiana System(foto: Reprodução)
Titica já tocou no Rock in Rio e gravou com a Baiana System (foto: Reprodução)
 
 
A cantora angolana Titica lançou mais uma nova música, Pra quê julgar, disponível desde sexta-feira (2/3) nas plataformas digitais. A artista, que é trans, tem grande participação na luta contra o preconceito. A nova canção fala sobre o convívio com as diferenças e o respeito. No YouTube, estão disponíveis um vídeo somente com o áudio e outro com a letra da música. A música foi composta por Titica ao lado do artista Kueno Aionda.

A artista, conhecida como a "Pabllo Vittar de Angola", acabou de assinar um contrato com a gravadora independente 360 Música e atingiu a marca de 22 mil visualizações com o single Reza madame. Titica já tocou no Rock in Rio, com a banda Baiana System. Também gravou, com o grupo e a cantora Margareth Menezes a faixa Capim Guiné.

Titica tem forte ligação com o Brasil. Ela é uma grande admiradora da brasileira Pabllo Vittar, por exemplo. "Ela é uma das artistas brasileiras com quem mais ambiciono cantar. Acredito que juntas, em defesa da causa LGBT, seria um tiro na cara do preconceito”, declara a angolana em nota. Titica também fará trabalhos na TV brasileira: a convite de Taís Araújo, a cantora vai gravar o seriado Mister Brau, da Rede Globo. 

A cantora também é conhecida como a rainha do kuduro e também foi considerada uma das 100 mulheres mais bem sucedidas da África, segundo um site da Nigéria. As canções de Titica são bastante atuais, tanto em temática quanto em relação aos ritmos. A artista luta contra o preconceito e já foi embaixadora da ONUSIDA, programa das Nações Unidas que combate a Aids. Também já foi eleita a mulher transexual mais influente da África.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade