Publicidade

Correio Braziliense

Quase uma dezena de novos filmes invadem as telas da capital

Nove filmes entram em cartaz, numa leva que traz o mais recente longa do diretor Clint Eastwood e a comédia Os farofeiros


postado em 08/03/2018 07:44

Nove filmes entram em cartaz, numa leva que traz o mais recente longa do diretor Clint Eastwood e a comédia Os farofeiros(foto: Warner / Divulgação)
Nove filmes entram em cartaz, numa leva que traz o mais recente longa do diretor Clint Eastwood e a comédia Os farofeiros (foto: Warner / Divulgação)

 
Muitas vezes associado a projetos inspirados por vidas reais, o diretor Clint Eastwood está à frente da mais esperada atração da semana, no circuito comercial de cinema: 15h17 — Trem para Paris. O filme chega na sequencia do sucesso com Sully — O herói do Rio Hudson, que foi estrelado por Tom Hanks. Agora, entretanto, a opção foi por treinar heróis da vida real norte-americana, para que eles atuassem em cinema, recontando a própria história. Cidadãos comuns até agosto de 2015, o acadêmico Anthony Sandler, o soldado Alek Skarlatos e o piloto da Força Aérea Spencer Stone tiveram a trajetória alternada, ao adentrarem a cabine do trem de número 9364 da Thalys, rede que liga Amsterdã a Paris.

Um atentado terrorista freado, e 500 vidas, potencialmente em perigo, salvas foram os grandes feitos dos jovens que, ao lado de Jeffrey E. Stern (escritor autônomo com importantes projetos realizados no Afeganistão), recontaram no livro The 15h17 to Paris, lançado em agosto de 2016. Premiados com o Hero Award (de um canal de tevê a cabo), na presença de Eastwood, o trio despertou o interesse do cineasta de filmes como Os imperdoáveis e Sobre meninos e lobos, que chega ao 36º longa da carreira.

Com experiência na realização de muitas cinebiografias (Sniper Americano e J. Edgar, entre outras), Eastwood fez questão de rodar a fita na maior quantidade de locações possíveis, deslocando a equipe em regiões da Itália e da França. Além dos atores ocasionais, o cineasta contou, no elenco, com Jenna Fischer (The Office), que interpreta Heidi (mãe de Alek) e Judy Greer (Jurassic world: O mundo dos dinossauros), no papel de Joyce, a mãe de Spencer.
 
Comédia nacional Os farofeiros parece destinada a ser mais um sucesso de Roberto Santucci(foto: Internet / Reprodução)
Comédia nacional Os farofeiros parece destinada a ser mais um sucesso de Roberto Santucci (foto: Internet / Reprodução)
 

Também familiar é o ponto de partida de outro filme destinado, ao que tudo indica, para o sucesso: a comédia nacional Os farofeiros. No longa, colegas de trabalho reúnem as respectivas famílias para um programa dado como simples: se divertir na praia. Com roteiro assinado pela dupla Paulo Cursino (De pernas pro ar) e Odete Damico (Sai de baixo), o longa tem direção de Roberto Santucci, reconhecido pela criação de títulos como Um suburbano sortudo e Até que a sorte nos separe, numa empreitada em cinema que já rendeu a venda de mais de 25 milhões de ingressos.

O elenco de Os farofeiros é integrado por atores como Márcio Manfrini, Cacau Protásio e Danielle Winits. No enredo, as confusões se multiplicam: a casa de aluguel da praia está caidona, os engarrafamentos na estrada são descomunais e os ataques de mosquitos, iminentes.

Nacionais e ação

Ainda no circuito de exibição de cinema da cidade, três documentários se destacam. Uma das atrações é A imagem da tolerância (de Paula Trabulsi e Joana Mariani) que, a partir da devoção e da fé associada a Nossa Senhora Aparecida, verificam simbologias relacionadas à religião. Ligados a expoentes da música, os longas Torquato Neto —Todas as horas do fim e Santoro, o homem e sua música (sobre o maestro Claudio Santoro) são outras opções.

Quem busca suspense e ação pode optar entre O passageiro — estrelado por Liam Neeson e Medo profundo, com trama recheada de terror. Outras possibilidades de diversão no cinema também incluem produções nacionais e até coproduções — casos de Encantados e de Uma espécie de família. No primeiro, destinado aos jovens, a diretora Tizuka Yamasaki destrinça crenças indígenas, enquanto a coprodução com a Argentina traz enredo comandado pelo hermano Diego Lerman. No filme, ele examina os percalços enfrentados por uma médica que pretende se tornar mãe, contando com trâmites de adoção.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade