Publicidade

Correio Braziliense

Nick Mason ironiza Google nas redes por suposta morte

O baterista do Pink Floyd chamou de 'muito exageradas' as informações sobre sua possível morte, no início do mês


postado em 08/03/2018 17:48 / atualizado em 08/03/2018 17:48

O baterista é respeitado em todo o mundo por sua participação no Pink Floyd(foto: DANIEL LEAL-OLIVAS)
O baterista é respeitado em todo o mundo por sua participação no Pink Floyd (foto: DANIEL LEAL-OLIVAS)

 
O músico Nick Mason, que foi baterista do Pink Floyd, compartilhou em sua página no Twitter um print ironizando o Google por ter divulgado a morte dele. Segundo o site, o ex-integrante da banda que está entre as maiores da história do rock morreu em 1º de março, em Nova York. Como legenda da foto publicada, o baterista comentou: "Informações recentes de que eu morri têm sido muito exageradas".
 
 

O artista tem 74 anos e foi o único integrante do Pink Floyd a participar de todos os mais de 20 álbuns. David Gilmour, o guitarrista, e Roger Waters, baixista da banda, ainda estão vivos e em carreiras solo. O ex-integrante Syd Barrett, que tocou guitarra, compôs e cantou as músicas do primeiro álbum, The piper at the gates of dawn, saiu da banda logo após o álbum e morreu em 2006, com 60 anos. O tecladista Richard Wright também faleceu, em 2008, aos 65 anos. 

O baterista do Pink Floyd sempre chamou a atenção dos fãs e da crítica pelas performances durante os shows. O estilo com que Nick Mason toca tem influência de gêneros musicais como o jazz. 

Outros casos


Não é só Nick Mason que foi "assassinado pela internet". As atrizes Laura Cardoso e Fernanda Montenegro também já foram vítimas dos boatos. O galã Reynaldo Gianecchini teve boatos sobre o fim de sua vida quando enfrentou um câncer, em 2011. Renato Aragão, o trapalhão Didi Mocó, teve a falsa morte anunciada pelo menos duas vezes. Gretchen, que recentemente gravou com a norte-americana Katy Perry, foi vítima em 2013. Neymar, Brad Pitt, Morgan Freeman, Lima Duarte e outros artistas, que ainda estão vivos e trabalhando, já foram, dados como mortos falsamente pelos internautas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade