Publicidade

Correio Braziliense

Morre o artista plástico Corbiniano Lins, aos 94 anos

Ele estava internado há 30 dias e sofreu insuficiência renal


postado em 11/03/2018 16:38 / atualizado em 11/03/2018 16:42

Trajetória de Corbiniano Lins foi contada em documentário(foto: Alcione Ferreira/DP)
Trajetória de Corbiniano Lins foi contada em documentário (foto: Alcione Ferreira/DP)

 
O escultor pernambucano José Corbiniano Lins, de 94 anos, morreu na noite deste sábado (10/3) após sofrer uma parada cardíaca. O artista plástico estava internado há 30 dias no Hospital Albert Einstein, na Ilha do Leite. De acordo com o laudo médico, a causa da morte foi insuficiência renal.

Casado com Débora, Corbiniano deixa oito filhos, oito netos e 10 bisnetos. "O que posso dizer é que Corbiniano fez parte de um grupo muito seleto de artistas da década de 1950. Assim como ele, Abelardo da Hora, Francisco Brennand movimentaram a arte em Pernambuco a partir de um processo criativo de grupo. Ele fez parte também do núcleo de artistas que participaram de um processo para implantação de uma lei que obriga os edifícios a ter uma obra de arte na frente”, ressalta Sandro Rodrigues, um dos filhos do artista.
 
Rodrigues define o pai como um artista plural. "Ele mexeu com arame, tapeçaria, alumínio fundido. A questão artística dele transitava por em pontos como a questão de animais, a celebração folclórica da gente, a parte sacra, onde o forte sempre foi São Francisco de Assis, e as mulheres, que deixaram uma forte inspiração para artistas e arquitetos de nova geração", ressalta. A figura feminina foi tema recorrente de sua obra.

A trajetória do artista já foi tema de um documentário, intitulado Corbiniano e dirigido por Cezar Maia, exibido em festivais de cinema como o Cine PE, em 2014. O filme narra a vida e obra do escultor, além de expor uma ação de "sequestro" de muro assinado pelo artista da Compesa e mostra o processo de restauração.

Entre as obras importantes do artista, disponíveis em espaços públicos, estão O mascate, na Praça da Independência, Restauração pernambucana, na Avenida Cruz Cabugá, e Estátua, da Avenida Guararapes. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade