Publicidade

Correio Braziliense

Fábio Magalhães propõe em mostra reflexões sobre a condição humana

Fábio Magalhães expõe pinturas realistas nas quais reflete sobre a condição humana a partir de imagens viscerais


postado em 19/03/2018 10:06

Obras inicialmente podem causar repulsa, mas logo levam à reflexão(foto: Fábio Magalhães/Divulgação)
Obras inicialmente podem causar repulsa, mas logo levam à reflexão (foto: Fábio Magalhães/Divulgação)

Há algo de muito perturbador na pintura de Fábio Magalhães. A temática é provocante, mas o realismo é o que mais sobressai. Com mais de 29 exposições coletivas no currículo, finalista do prêmio Pipa e vencedor de prêmios como o Funarte e Salão Semear (SE), Fábio tem um gosto peculiar por cenas bizarras que poderiam causar repulsa na maioria das pessoas, mas que funcionam, segundo ele, como artifícios.

O artista constrói cenas imbuídas de sentimentos colhidos em universo extremamente particular para, em seguida, colocar tudo numa metáfora. É, segundo ele, um simulacro de realidade feito no ateliê, fotografado e, finalmente, pintado em tela. Ou, na explicação do crítico Jorge Coli, o trabalho é fruto de “olho terrível e mão certeira”. É essa a proposta de Além do visível, aquém da intangível, reunião de 23 pinturas a óleo em cartaz na Caixa Cultural.
Obras inicialmente podem causar repulsa, mas logo levam à reflexão(foto: Fábio Magalhães/Divulgação)
Obras inicialmente podem causar repulsa, mas logo levam à reflexão (foto: Fábio Magalhães/Divulgação)

A exposição traz imagens orgânicas reproduzidas em linguagem hiperrealista com tinta e pincel com um rigor impecável. É o resultado de 10 anos dedicados à pintura, um pouco uma celebração da escolha da técnica.

“As séries que constituem essa exposição estão relacionadas com escolhas poéticas, onde o corpo, o ser e o outro são elementos norteadores conceituais para criação de metáforas visuais sobre a condição humana e suas inquietudes sociais”, explica o artista. Ele defende que toda imagem pintada é uma ilusão porque parte da interpretação do artista para realidades vividas ou conhecidas da história.

Pensando assim, Magalhães acredita que não há fronteiras entre a realidade e a ilusão. “A realidade também é constituída de ilusões. Nesse sentido, a construção de situações pintadas se torna uma realidade que afeta o imaginário do outro e constitui um lugar de imaginações”, diz. Pode parecer um paradoxo, mas o artista acredita que experiências paradoxais são fundamentais para a vida e para a arte.

Na pintura, Magalhães se sente livre para criar as metáforas visuais nascidas da montagem das cenas e dos atos performáticos que geram as fotografias depois usadas para a reprodução na tela. “As metáforas funcionam como método de trabalho para alcançar imagens que possam ser lidas e interpretadas de várias maneiras, dependendo do repertório do espectador”, avisa o artista.

Não há cenário em suas produções e o fundo é, frequentemente, branco. O próprio Magalhães aparece retratado eventualmente e, quando de posse do pincel, mantém um rigor, uma economia e uma organização notáveis. São órgãos sim as imagens que povoam as telas, mas não há ali espetáculo, não há respingos nem sangue incontido.

Algumas imagens, Magalhães admite, perturbam, mas isso acontece, principalmente, por causa das experiências pessoais do observador. “Algumas imagens podem ser consideradas perturbadoras porque atingem o outro e alcançam suas memórias, aflorando sensações presentes em seu corpo. Acredito que cada obra se relaciona de maneira ímpar em cada indivíduo”, argumenta.

Ao realismo extremo, técnica usada em todas as obras, ele atribui a capacidade de construir códigos visuais que afetam a realidade. É uma maneira de estabelecer um diálogo com o público e de lembrar, sempre, que aquela imagem é uma representação de uma realidade especialmente modificada pelo olhar do próprio artista. A intenção de refletir sobre a condição humana, ele diz, serve de guia na escolha dos materiais. Conceitos sobre o corpo, o sujeito e a alteridade são constantemente revisitados para dar sentido à obra.

Além do visível, aquém do intangível
Exposição de Fábio Magalhães. Visitação até 27 de maio, de terça a domingo, das 9h às 21h, na Galeria Vitrine da Caixa Cultural Brasília (Setor Bancário Sul Qd 04)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade