Publicidade

Correio Braziliense

Filme sobre Marielle Franco contará trajetória da vereadora

O longa ainda está em fase embrionária e deverá contar com Jorge Mautner como responsável pela concepção musical


postado em 19/03/2018 19:00 / atualizado em 19/03/2018 19:21

Há menos de uma semana do assassinato que abalou o Brasil, foi confirmada a gravação de um longa baseado na vida de Marielle Franco(foto: Reprodução/Internet)
Há menos de uma semana do assassinato que abalou o Brasil, foi confirmada a gravação de um longa baseado na vida de Marielle Franco (foto: Reprodução/Internet)

 
No calor da discussão sobre a tragédia que levou à morte de Marielle Franco, a produtora Paula Barreto decidiu levar aos cinemas a história da vereadora assassinada na última quarta-feira (14/3).

Ainda sem título ou previsão de lançamento, o filme irá acompanhar a trajetória da jovem nascida na favela que se tornou a quinta vereadora mais votada no Rio de Janeiro e, postumamente, símbolo instantâneo da luta por direitos sociais efetivos de minorias.

João Paulo Reys e Flavia Guimarães estão sendo cotados para a concepção do roteiro; enquanto o cantor e compositor Jorge Mautner deve ficar responsável pela parte musical. Ainda não foi confirmado quem ficará a comando da direção.

Em entrevista ao jornal O Globo, Paula Barreto declarou ter sido amiga da vítima e considerá-la extraordinária. A expectativa da produtora é de que o longa ajude a revitalizar a memória de Marielle, segundo afirma, constante alvo de “haters” e de notícias falsas nas redes sociais.

“Eu já conhecia a Marielle porque ela era uma das melhores amigas da minha filha, mas foi assistindo a um depoimento dela em um documentário do João Paulo Reys sobre a intervenção do Exército durante as Olimpíadas, ainda em fase de finalização, que percebi como ela era extraordinária. Logo depois, aconteceu o assassinato”, disse ao portal.

“Queremos contar onde ela foi criada, a influência da Maré nela e como se transformou nessa líder que perdemos. O que importa, agora, são os seus ideais. Fiquei assustada quando entrei no Facebook e vi a quantidade de haters. Muita gente a denegrindo, sem saber se as informações são verdadeiras ou não. As pessoas não se preocupam em saber de onde vem a notícia. Há milhares de Marielles no Brasil, precisamos contar essa história”, completa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade