Publicidade

Correio Braziliense

Barraco de ministros no STF vira samba-canção de dor de cotovelo

Trechos da música são inspirados em frases ditas durante a discussão entre Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso


postado em 23/03/2018 17:21 / atualizado em 23/03/2018 18:20

(foto: Agência Brasil/YouTube/STF/Reprodução)
(foto: Agência Brasil/YouTube/STF/Reprodução)

A discussão entre os ministros Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso durante sessão no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), na última quarta-feira (21/3), inspirou um samba-canção de "dor de cotovelo".
 
A ''composição'' é uma reprodução de falas de Barroso para Mendes, mas com uma conotação de desilusão amorosa: "Você é uma pessoa horrível / É a mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia / Me deixe de fora desse seu mau sentimento". Publicada no YouTube, a música também está circulando entre os usuários do WhatsApp. 

A sessão em que ocorreu o "barraco" deveria votar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade sobre doações ocultas de campanha eleitoral. Durante seu voto, Mendes repreendeu atitudes de ministros da Corte, citando a votação em que a Primeira Turma do STF decidiu que não é crime a interrupção da gravidez até o terceiro mês de gestação. "Ah, agora vou dar uma de esperto e vou conseguir a decisão do aborto", disse.


Luís Roberto, então, interrompeu Gilmar e começou a proferir as palavras. "Me deixe de fora desse seu mau sentimento. Você é uma pessoa horrível. Isso não tem nada a ver o que está sendo julgado. A vida para vossa excelência é ofender as pessoas. Vossa excelência é uma desonra para todos nós. Vossa excelência desmoraliza o tribunal. Já ofendeu a presidente, ofendeu o ministro Fux, e agora me ofende. O senhor é a mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia", encerrou.
 
"O senhor deveria fechar seu escritório de advocacia!", rebateu Mendes. A presidente Cármen Lúcia suspendeu a sessão em meio ao bate-boca e, diante da insistência dos ministros, cortou o som dos microfones do local.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade