Publicidade

Correio Braziliense

HQ une universo cyberpunk à cultura nordestina e ao cangaço

'Cangaço overdrive' conta, com tons futuristas, a história de uma dura seca no Ceará


postado em 28/03/2018 07:00

HQ mistura a cultura e a tradição nordestina com o universo cyberpunk (foto: Editora Draco/Divulgação)
HQ mistura a cultura e a tradição nordestina com o universo cyberpunk (foto: Editora Draco/Divulgação)
 
Imagine uma história cyberpunk, distopia, alta tecnologia, futurismo e, claro, uma sociedade destroçada e repleta de personagens à margem do sistema lutando para melhorar aquela situação. Agora ambiente tudo isso no Ceará e pense a cultura nordestina misturada à ficção científica. Dá liga?

Um novo projeto brasileiro de HQ garante que sim. Cangaço overdrive, que recebeu incentivo do governo do Ceará para se concretizar, mistura as histórias da seca e da cultura nordestina ao mundo tecnológico e super-moderno das narrativas cyberpunks.

O roteiro do quadrinho é assinado por Zé Wellington. Autor de outras HQs, como Quem matou João Ninguém? (2014) e Steampunk ladies: Vingança a vapor (2015), ele recebeu, em 2016, o troféu HQMIX (uma das principais premiações do quadrinho brasileiro) na categoria novo talento roteirista.

O escritor foi buscar referências nas raízes da cultura nordestina para fundi-la ao mundo cyberpunk. Toda a narrativa de Cangaço overdrive é contada na forma de cordel. Como manda a tradição, o cantador conta as histórias dos personagens e dos acontecimentos e a apresenta aos leitores.

O texto de Zé Wellington é acompanhado pelos desenhos de Walter Geovani. O artista participou de trabalhos importantes no mercado internacional e é responsável por artes de quadrinhos como Doctor Who — Supremacy of the cybermen.

Além dos dois, também colaboraram na produção do cyberpunk sertanejo, principalmente nas cores, os artistas Luiz Carlos B. Freitas, Dika Araújo, Mariane Gusmão e Tiago Barsa.

O enredo

Em Cangaço overdrive, o Ceará enfrenta a pior seca em séculos. Esquecida por governos e comandado por interesses de grandes corporações empresariais, o estado sofre e vive um dos piores momentos de todos os tempos.

Dentro do estado, uma comunidade decide se desvencilhar do governo e manter uma gestão própria. O problema é que, a mando de um dos grandes conglomerados empresariais, a polícia ataca o local e tenta tomar o poder da região, o que gera um embate entre população e militares.

Enquanto tudo isso acontece, bem aos moldes da tradição cyberpunk, duas pessoas são reanimadas e voltam à vida depois de anos. Um deles é um cangaceiro lendário e outro, um coronel cruel e impiedoso. Os dois são ressuscitados para resolver uma peleja do passado.

Cangaço overdrive
Zé Wellington, Walter Geovani. Editora Draco. 72 páginas. R$ 29,90 (na pré-venda).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade