Publicidade

Correio Braziliense

Polêmica exposição 'Queermuseu' é confirmada no Rio

Cancelada pelo Santander Cultural ano passado, em Porto Alegre, por ser considerada imoral pelos movimentos conservadores, a mostra dessa vez será financiada por leilões de obras e doações


postado em 28/03/2018 13:32

Com fundos arrecadados online, a mostra volta e fará exposição no capital carioca(foto: Marcelo Liotti Junior/Divulgação)
Com fundos arrecadados online, a mostra volta e fará exposição no capital carioca (foto: Marcelo Liotti Junior/Divulgação)

 

A Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage, no Rio, já conseguiu arrecadar mais do que o valor necessário para montar a exposição Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira - confirmada nessa terça-feira, 27, para a segunda quinzena de junho.

 

No ano passado, a mostra, que tem obras de artistas brasileiros seminais, como Candido Portinari, Alberto Guignard, Lygia Clark e Adriana Varejão, foi cancelada pelo Santander Cultural, em Porto Alegre, e vetada pela prefeitura carioca no Museu de Arte do Rio (MAR), por ser considerada imoral por movimentos conservadores.

 

A EAV lançou uma vaquinha virtual no dia 31 de janeiro, para amealhar R$ 690 mil até o fim de março. Com mais de 1.400 doadores, o 'crowdfunding' alcançou R$ 802.941 nesses 58 dias.

 

Com o leilão de obras de arte realizado na escola no dia último dia 15, o montante chegou a R$ 900 mil, e a meta agora passou a ser R$ 1 milhão. O valor a mais será aplicado no ciclo paralelo de debates sobre temas ligados à diversidade sexual e no programa educativo da instituição.

 

"A campanha abrangeu um público muito variado: tivemos doações de R$ 20 a R$ 10 mil. A população se engajou porque a censura é contra todos", celebrou o diretor da EAV, Fabio Szwarcwald. "A comunidade artística se sensibilizou muito com a causa. Para o leilão tivemos as obras de 83 artistas". Foram vendidas 55 peças, de nomes como José Bechara, Raul Mourão e Neville d'Almeida, e Caetano Veloso fez um show.

 

Os recursos serão usados na reforma das Cavalariças, espaço do Parque Lage que servirá à mostra, de curadoria de Gaudêncio Fidelis, e na operação e montagem das 263 obras, de 85 artistas.

 

Não está descartada a possibilidade de a mostra ter classificação indicativa. No ano passado, à época do cancelamento pelo Santander e o veto unilateral do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB) - bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus -, a mostra foi acusada de "promover a zoofilia e a pedofilia", e tachada de imprópria para menores.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade