Publicidade

Correio Braziliense

Roteirista critica diretor por excluir nu frontal em Me chame pelo seu nome

James Ivory, vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Original, não gostou da decisão de Luca Guadagnino de não mostrar os protagonistas nus nas cenas de sexo


postado em 28/03/2018 15:31

Protagonistas vivem uma história de amor no filme, com cenas de sexo, mas sem nudez(foto: Sony Pictures / Reprodução)
Protagonistas vivem uma história de amor no filme, com cenas de sexo, mas sem nudez (foto: Sony Pictures / Reprodução)

Vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado por Me chame pelo seu nome, o roteirista James Ivory não está totalmente satisfeito com a produção. Embora o drama romântico dirigido por Luca Guadagnino, sobre um jovem que se apaixona por um professor universitário, tenha sido elogiado pela crítica, especialmente pela representatividade LGBT, o autor da trama ficou desagradado com um aspecto.

Em entrevista recente ao jornal inglês The Guardian, Ivory declarou que "Quando Luca diz que nunca pensou em colocar nudez no filme, isso não é verdade, ele sentou nessa mesma sala que eu estou, dizendo como ele faria isso, então, quando ele diz que foi uma decisão estética, isso é bobagem".
 
O filme tem cenas de sexo entre os personagens de Timothée Chalamet e Armie Hammer, mas sem grandes exposições de seus corpos. Nas palavras do roteirista, haviam várias cenas de nudez no roteiro original e a decisão de não filmá-las torna a relação entre os personagens "falsa". "Os dois rapazes fazem sexo e se levantam, você certamente verá tudo que há para ser visto. Para mim, há maneiras mais naturais de fazer as coisas do que as escondendo ou fazendo o que Luca fez, deslocando a camera para fora da janela, através das árvores", disse Ivory.

Além de Melhor Roteiro Adaptado, única estatueta que conquistou, Me chame pelo seu nome ainda foi indicado a outras três categorias no Oscar deste ano: Melhor Filme, Melhor Ator (Timothée Chalamet) e Melhor Ator Coadjuvante (Armie Hammer) e Melhor canção original (Mistery Of Love, de Sufjan Stevens).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade