Publicidade

Correio Braziliense

Giuliano Manfredini defende realização de bazar com objetos de Renato Russo

Filho do ex-líder do Legião Urbana afirmou que atitude visa ajudar a instituição e as pessoas atendidas por ela, assim como seu pai fazia antes morrer


postado em 03/04/2018 13:30 / atualizado em 03/04/2018 15:02

Giuliano Manfredini é o herdeiro de Renato Russo (foto: Reprodução/Twitter)
Giuliano Manfredini é o herdeiro de Renato Russo (foto: Reprodução/Twitter)
 
Em meio a polêmica envolvendo as controversas opiniões entre a família Manfredini, sobre a realização do bazar beneficente do Retiro dos Artistas, com os objetos de Renato Russo, Giuliano Manfredini, filho do músico, resolveu se pronunciar. Ao Correio, ele defendeu que a atitude tem como objetivo contribuir para uma causa tão importante. 

"Acredito que a história do Retiro dos Artistas e a existência dessa instituição até os dias de hoje é um exemplo de solidariedade com os artistas, que tanto ajudaram a delinear o caráter e o senso crítico da população nestes 100 anos, e como meu próprio pai fazia antes de sua partida, faço por meio desta doação, que posteriormente será revertida em recursos para o retiro, uma contribuição pessoal para esta causa tão importante", explica Giuliano Manfredini. 
 

Relembre a polêmica 

Tudo começou em 27 de março, dia em que Renato Russo comemoraria o 58° aniversário se estivesse vivo, com um anúncio de uma doação de mais de 200 objetos pessoais do ídolo do rock para um bazar beneficente do Retiro dos Artistas feita pelo filho Giuliano Manfredini. 

Dias depois, Carmem Teresa Manfredini, irmã de Renato Russo, escreveu uma carta aberta, declarando o descontentamento e evidenciando os motivos que a leveram a emitir a declaração. "Foi com profunda tristeza, mágoa e indignação, que eu e a minha mãe, Carminha Manfredini, soubemos por um amigo que no dia do aniversário de 58 anos de meu querido e amado irmão, Renato Russo/Renato Manfredini Júnior, haveria um leilão de todos os seus pertences e objetos pessoais, autorizado pelo seu filho Giuliano Manfredini.

Ao Correio, Carmem falou que ficou sabendo por meio de amigos próximos a família, e que a doação dos objetos para bazar causaria uma grande perda do patrimônio e do legado deixado pelo irmão.  “Quando ficamos sabendo do bazar, sentimos uma dor e uma indignação tão grande. Pois o que será vendido ali são objetos da história de vida do Renato, eles são patrimônios artísticos culturais, são itens que todos os fãs gostariam de conhecer e de tirar fotos. Se de fato isso acontecer, nenhuma pessoa poderá ter esse acesso”, declarou. 
 
*Estagiário sob supervisão de Vinicius Nader 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade