Publicidade

Correio Braziliense

Conheça projeto que aproxima cegos da literatura

Biblioteca em braile Dorina Nowill, em Taguatinga, reúne cerca de 3 mil publicações no acervo


postado em 08/04/2018 07:40

Noeme Rocha diz que o braile a fez redescobrir o amor pela leitura(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Noeme Rocha diz que o braile a fez redescobrir o amor pela leitura (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

“Depois que deixei de enxergar, meu amor pelas palavras aumentou”. Noeme Rocha, 57 anos, é apaixonada pelas letras e, mesmo depois de perder a visão, em 1990, num acidente de trânsito, não abandonou a ligação com a literatura. Hoje, após superar barreiras impostas pela deficiência visual, Noeme enaltece o braile, sistema de leitura que a fez redescobrir o amor pela escrita. “O cego é o único que pode tocar as palavras. A gente pode senti-las. É uma emoção tão grande que do dedo ela vai pro coração e pra mente”.

Comemorado em todo o Brasil neste domingo, o dia do sistema braile homenageia o método criada em 1825 pelo francês Louis Braille. O instrumento de leitura chegou por meio do carioca José Álvares de Azevedo, que, a partir do ano de 1850, difundiu o método.

Noeme conta que desde pequena era ligada às palavras. “Eu sempre gostei de literatura, desde a minha infância. Minha mãe lia para mim, e eu gostava demais das figuras coloridas”, conta.

A relação com o pai, que era repentista, também despertou em Noeme a simpatia pelas palavras. “Ficou um pouco dessa veia artística na minha alma”, conta. Influenciada pelo trabalho do patriarca, ela descobriu na poesia uma paixão.

Com a perda da visão, Noeme teve de se reinventar: reaprendeu uma série de atividades que desenvolvia com facilidade antes, entre elas, ler e escrever. “O braile ficou sendo meu amigo inseparável”, confessa Noeme.

Hoje, a poesia continua presente na vida dela, mas as inspirações para escrever são diferentes. Além de produzir versos e rimas sobre temas do cotidiano, ela lembra que gosta de expressar seu amor pelo braile por meio das próprias obras. Na poesia Agradecimento a Louis Braille, as linhas mostram uma autora agradecida às oportunidades trazidas pela ferramenta.

A biblioteca de Noeme

Noeme Rocha é uma das fundadoras da biblioteca em braile Dorina Nowill, em Taguatinga. A instituição existe há 23 anos e reúne cerca de 3 mil publicações no acervo. No estabelecimento, estão disponíveis livros em braile e audiolivros. Além disso, a biblioteca conta com diversas atividades e oficinas para deficientes visuais.


Um dos projetos do local é o Luz & Autor em Braile, desenvolvido desde a fundação da casa. Iniciativa da professora Dinorá Couto, também fundadora da biblioteca, o projeto incentiva o contato entre pessoas com deficiência visual ou baixa visão e a produção de textos literários.

“A pessoa que se envolve com leitura tem uma vida melhor. Ela viaja sem sair do lugar”, afirma Dinorá. No projeto, os deficientes visuais são convidados a escrever contos, poesias, poemas e crônicas. Desse trabalho surgiram frutos: o livro Revelando autores em braile, lançado em 2010, conta com 800 textos de pessoas que não enxergam ou têm baixa visão.

O sucesso do Luz & Autor em Braile foi tanto que deu origem à primeira Academia Inclusiva de Autores do país. “Eu nunca pensei que esse trabalho teria uma abrangência tão grande”, conta Dinorá. Ela explica que o projeto, que conta com 222 membros, consiste no apadrinhamento de uma pessoa que enxerga com um cego. Esses padrinhos são, em sua maioria, autores de livros que procuram o projeto para achar meios de tornar as obras acessíveis.

Felizes, Dinorá e Noeme comemoram o sucesso das atividades desenvolvidas com os membros e frequentadores da biblioteca, carinhosamente apelidados de Família Braille.“O cego está tendo um acesso muito bom à literatura. Nós só precisamos da oportunidade, da força, do empurrão”, afirma Noeme.


* Estagiária sob supervisão de Vinicius Nader

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade