Publicidade

Correio Braziliense

Documentários brasileiros estreiam nesta quinta-feira na cidade

'Construindo pontes', de Heloisa Passos, marca a primeira vez em que a cineasta dirige um longa. Enquanto 'Rogério Duarte, o tropikaolista' mostra um dos artistas do tropicalismo


postado em 24/04/2018 09:40 / atualizado em 24/04/2018 09:44

Rogério Duarte atuou em diversas áreas durante o movimento tropicalista(foto: Divulgação )
Rogério Duarte atuou em diversas áreas durante o movimento tropicalista (foto: Divulgação )

Dois longas-metragens chegam à cidade nesta quinta-feira (26/4). Dirigido por José Walter Lima, Rogério Duarte, o tropikaolista (2016) é um documentário que celebra um dos artistas presentes no movimento Tropicalista. Por outro lado, Heloisa Passos traz, em Construindo pontes (2017), a própria relação da diretora com o pai.

 

Rogério Duarte, o tropikaolista, documentário dirigido por José Walter Lima, recebeu críticas positivas de nomes importantes, como o cantor Caetano Veloso e o filósofo Luiz Carlos Maciel. O filme evidencia o movimento artístico Tropicalismo, que surgiu há cinquenta anos no CD Tropicália, produzido por Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil, Nara Leão, Os Mutantes e Tom Zé.

 

Para mostrar o movimento, a ideia do diretor foi falar sobre um dos artistas atuantes, Rogério Duarte. O multifacetado atuou em vários campos, desde o design gráfico, passando pela tipografia até a poesia. Duarte foi coautor de canções e criou capas de discos famosos da época, além disso produziu os cartazes dos filmes Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) e A idade da Terra (1980), ambos do diretor Glauber Rocha.

 

Em Construindo pontes, longa em que Heloisa Passos estreia como diretora, o tema descutido é a relação entre pai e filha, pois o pai da cineasta era engenheiro e trabalhou durante a ditadura militar principalmente erguendo pontes no país.

 

Neste documentário bastante político, Heloisa Passos decidiu debater sobre a polarização de opiniões. Com mentalidades antagônicas, ela - que é contra o regime militar - e o pai - que é a favor - discutem sobre a situação do governo brasileiro da época. Além disso, mostram que essas divergências entre os pontos de vista ainda podem ser percebidas hoje em dia na sociedade brasileira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade