Publicidade

Correio Braziliense

Stan Lee, ícone das HQs, é acusado de abuso sexual

María Carballo apresentou um processo com cinco acusações nesta segunda-feira (23), alegando que Lee, de 95 anos, lhe acariciou e tocou em seus genitais


postado em 24/04/2018 15:25

O advogado de Lee negou as acusações (foto: Behrouz Mehri / AFP )
O advogado de Lee negou as acusações (foto: Behrouz Mehri / AFP )


Chicago, Estados Unidos -
Uma massagista processou Stan Lee, autor da editora Marvel Comics, por abuso sexual, acusando-o de tocá-la inapropriadamente e de má conduta durante sessões em um evento no ano passado em Chicago. 

María Carballo apresentou um processo com cinco acusações nesta segunda-feira (23/4), alegando que Lee, de 95 anos, lhe acariciou e tocou em seus genitais. O processo exige uma compensação de pelo menos 50 mil dólares por danos e prejuízos, além dos honorários dos advogados, para cada uma das acusações, de acordo com representantes legais.

Ela afirmou que os episódios aconteceram em abril de 2017, quando o cocriador de muitos personagens de super-heróis, como Pantera Negra e Homem Aranha, estava na cidade para a feira Chicago Comic & Entertainment Expo.

O advogado de Lee, Jonathan Freund, negou as acusações ao jornal Chicago Tribune: "Ele é uma figura pública de vulto, acho que isso é uma chantagem", disse. "Tem 95 anos, não acho que tenha feito isso", destacou.

O processo de Carballo afirma que ela foi enviada em duas ocasiões à suíte de hotel de Lee no McCormick Place Hyatt Regency. Durante a primeira sessão, Lee teria lhe acariciado na região genital, fazendo Carballo interromper seu trabalho e ir embora. 

Ela afirma que Lee se desculpou por meio de sua empresa, e ela voltou para uma segunda sessão de massagem no dia seguinte, durante a qual empregou uma técnica de massagem usando os pés em vez das mãos. 

Ela acusa Lee de aproximar seus pés dos seus genitais, forçando-a a ir embora novamente. Os incidentes teriam acontecido antes repercussão mundial das campanhas #MeToo e #TimesUp.

A princípio, Carballo temia que as acusações prejudicassem seu trabalho, segundo o escritório de advogados que lhe representa, mas mudou de ideia "depois de ter visto outras mulheres brigarem para serem tratadas com dignidade e respeito".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade