Publicidade

Correio Braziliense

Nelson Sargento participa, no domingo, do projeto Já chegou quem faltava

O músico conta a história do estilo musical em canal no YouTube. Ele estará em Brasília amanhã para show


postado em 05/05/2018 07:30 / atualizado em 05/05/2018 12:24

Nelson Sargento relembrará os grandes sucessos em show amanha na capital federal(foto: Edinho Alves/Divulgação)
Nelson Sargento relembrará os grandes sucessos em show amanha na capital federal (foto: Edinho Alves/Divulgação)

 
O cantor e compositor Nelson Sargento é a história viva do samba. Aos 94 anos, ele compôs, ao longo da carreira, mais de 400 músicas, entre elas, clássicos como Agoniza mas não morre e o samba-enredo Apologia aos mestres, que levou a Mangueira ao título na disputa das escolas de samba em 1949, um ano após a entrada dele na escola. Essa biografia e bagagem extensas são revividas por Sargento em suas apresentações e também, mais recentemente, em seu canal no YouTube.

Há três meses, o artista se lançou na plataforma com o objetivo de compartilhar com as pessoas histórias, além do conhecimento sobre um dos estilos mais brasileiros, o samba, e da música em geral. A ideia veio dos produtores de Nelson Sargento, que logo acatou a proposta. “Eu aceitei e estamos muito bem. Temos muitas coisas para gravar, embora já tenha muita coisa gravada também”, explica.
 

O aniversário de 90 anos da  Estação Primeira de Mangueira, comemorado no último dia 29, está entre as filmagens, que, em breve, chegarão ao canal. Outra gravação que deve chegar ao YouTube é do show que Nelson Sargento fará em Brasília amanhã no aniversário de três anos do projeto Já chegou quem faltava. Na cidade, Sargento se apresentará ao lado de músicos locais em evento que começa a partir das 16h no Círculo Operário do Cruzeiro. “Naturalmente Brasília também vai aparecer no YouTube. (risos). O repertório está pronto e na mão dos meninos daí. Posso adiantar que terá um pouco sobre mim e da Mangueira”, ressalta Sargento.



Atualmente, o canal de Nelson tem vídeos em que o artista fala sobre a história dos 90 anos da Mangueira e a passagem dele pelo Japão, além de entrevistas com Monarco e Carlos Cachaça e histórias sobre Geraldo Pereira e Babaú da Mangueira. As escolhas dos assuntos do canal surgem das vivências de Sargento, como a homenagem recebida na Mangueira, quando recebeu uma placa de agradecimento pela atuação na escola.

Trajetória

Estar ligado à autoria de mais de 400 canções não é tarefa fácil. Mas Nelson Sargento não consegue ver isso como uma dificuldade. Para ele, a composição é algo bastante natural. “A inspiração vem lá de cima. Eles assopram para a gente e a gente faz. É do céu que vem a inspiração para o samba”, conta.



Mesmo aos 94 anos,Nelson se mantém ativo no cenário musical. Apesar de ter deixado as composições um pouco de lado — “estou mais preocupado com outras coisas, mas de vez em quando alguém pede e eu faço um samba” —, não larga a escola de samba do coração.  “A minha ligação começou em 1948, quando eu fiz um samba-enredo, desde então estamos juntos. Não dá para sair, a Mangueira é uma grande escola e a minha vida”, completa.

Já chegou quem faltava
Círculo Operário do Cruzeiro (Área Especial). Domingo (6/5), às 16h. Com Nelson Sargento. Entrada a R$ 20 (até as 18h) e R$ 25 (após). Valores de meia-entrada. Não recomendado para menores de 18 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade