Publicidade

Correio Braziliense

Filhos de artistas da música seguem caminho semelhante ao dos pais

Banda Daparte, do filho de Samuel Rosa, está entre os exemplos


postado em 06/05/2018 07:30

Banda Daparte traz o filho de Samuel Rosa, o jovem Juliano Alvarenga(foto: Perfexx/Divulgação)
Banda Daparte traz o filho de Samuel Rosa, o jovem Juliano Alvarenga (foto: Perfexx/Divulgação)

Crescer num ambiente musical costuma ter uma influência sobre as pessoas. Em alguns casos, até uma grande interferência na escolha de que caminho seguir no futuro. Seguindo a máxima “filho de peixe peixinho é”, muitos herdeiros de grandes nomes da música acabaram seguindo a trajetória artística dos pais. Entre esses casos estão artistas como Maria Rita (Elis Regina); Diogo Nogueira (João Nogueira); e Preta Gil (Gilberto Gil).

Nos últimos anos, alguns nomes apareceram mostrando, mais uma vez, que talento musical pode ser passado de pai e mãe para os filhos. Um dos exemplos mais recentes é a banda Daparte, que tem em sua formação o primogênito de Samuel Rosa (do Skank), Juliano Alvarenga, vocalista e guitarrista do grupo.

Criado em 2015, o grupo lançou no último mês o primeiro álbum, Charles, composto por 10 faixas autorais, entre elas, o primeiro hit da banda, Guarda-chuva. No show de lançamento do CD em Belo Horizonte, cidade natal da Daparte, Samuel Rosa falou sobre o orgulho de ver o herdeiro seguindo seus passos. “As pessoas perguntam o quanto a gente participou nos arranjos, nas composições. Eu digo que nada. Está só a nossa carga emocional, a minha como a de todos os parentes”, classificou.



A banda surgiu de uma parceria entre Juliano Alvarenga e Bernardo Cipriano, que foram convidados para tocar em um evento em janeiro de 2015. A dupla resolveu convidar Daniel Crase e Túlio Lima, enquanto a chegada do quinto elemento, João Ferreira, como ele mesmo conta, veio de um pedido dele: “Eu me convidei para tocar com eles e, nesse primeiro show, a gente firmou o compromisso”.

O nome do grupo é uma inspiração do Clube da Esquina, uma das influências musicais, ao lado, claro, de Skank, além de Beatles e artistas da MPB e do rock inglês, características que podem ser percebidas no álbum de estreia, Charles.

“Queríamos que o disco mostrasse todas as partes, tivesse vários humores e personalidades. Nossa ideia era colocar o máximo da nossa perspectiva e criação musical”, explica João Ferreira, um dos vocalistas e também guitarrista e autor de Guarda-chuva, primeiro single da banda divulgado ainda em 2016.

DNA musical


Desde o ano passado, o cantor Caetano Veloso roda o Brasil em turnê com os filhos Tom, Moreno e Zeca. Ao lado da trupe, o artista lançou três singles O seu amor, Todo homem (que está atualmente na abertura da supersérie da Globo, Onde nascem os fortes) e Um canto de afoxé para o Bloco do Ilê, que darão origem a um álbum completo intitulado Ofertório.

Ao lado dos herdeiros, Caetano Veloso saiu em turnê e lançará álbum(foto: Jorge Bispo/Divulgação)
Ao lado dos herdeiros, Caetano Veloso saiu em turnê e lançará álbum (foto: Jorge Bispo/Divulgação)


Mas, antes mesmo de saírem em turnê com o pai, dois dos Veloso caminhavam na área artística. O caçula, Tom Veloso, integra a banda Dônica, criada em 2011, e que tem no currículo o álbum Continuidade dos parques, de 2015, formado por 11 faixas, entre elas canções com Pretinho da Serrinha (É oficial) e Milton Nascimento (Pintor). Já Moreno Veloso atua em carreira solo e como compositor desde os anos 2000.

A novidade ficou por conta da presença de Zeca Veloso, que, até então, não havia seguido uma trajetória no mundo da música. Ele é responsável pela autoria de Todo homem, faixa que alcançou o primeiro lugar no Top 50 viral do Spotify e chegou a superar o hit Vai malandra, de Anitta.

Theo e Sebastião, filhos de Nando Reis, têm o duo 2 Reis(foto: Carol Siqueira/Divulgação)
Theo e Sebastião, filhos de Nando Reis, têm o duo 2 Reis (foto: Carol Siqueira/Divulgação)


No ano passado, Theodoro e Sebastião, filhos do cantor e compositor Nando Reis, lançaram o primeiro disco do duo 2 Reis, o álbum Dois reis, formado por oito faixas. Apesar do lançamento apenas em 2017, a parceria existe desde 2013, quando fizeram um projeto em que interpretavam canções do pai, e a fascinação pela música veio do acompanhamento ao lado do patriarca em alguns shows. Theo e Sebastião, inclusive, foram inspiração para o pai nas músicas Bom dia e O mundo é bão, respectivamente.

Com voz e atitude semelhantes às da mãe, Cássia Eller, o jovem Chico Chico está no cenário musical desde 2015, quando estreou com o álbum 2x0 Vargem Alta, que tem 12 faixas. Neste ano, ele adiantou ao Correio que está em processo de gravação de um segundo CD, ainda sem nome. Sobre as similaridades com a voz da matriarca, na mesma entrevista, ele disse: “Se eu tivesse outra voz, seria estanho”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade