Publicidade

Correio Braziliense

Gabriel Grossi celebra duas décadas de carreira em shows no Clube do Choro

Novo disco celebra 20 anos de carreira


postado em 17/05/2018 07:30 / atualizado em 17/05/2018 09:54

Gabriel Grossi: celebração de 20 anos de carreira com repertório autoral(foto: Guito Moreto/Divulgação)
Gabriel Grossi: celebração de 20 anos de carreira com repertório autoral (foto: Guito Moreto/Divulgação)

Um dos maiores talentos da música instrumental no país, o harmonicista brasiliense Gabriel Grossi, em duas décadas de carreira, transformou-se num cidadão do mundo. Além de levar sua arte a todos os continentes, tem despertado atenção e obtido o reconhecimento de mestres como Toot Tielemans, Hermeto Pascoal, Guinga e Maurício Einhorn.

Seu feito mais recente foi o de ter sido o único músico brasileiro a participar da Jazz Ahead, considerada a mais importante feira jazzística internacional, realizada no mês passado em Bremen, na Alemanha. Sempre em movimento, viaja em breve para a Índia, onde cumpre turnê de 28 deste mês a 4 de junho.

Aliás, e não por acaso, Em movimento é o nome do 10º disco de Gabriel, com o qual comemora a trajetória de 20 anos, com shows hoje e amanhã, às 21h, no Espaço Cultural do Choro, pelo projeto Clube do Choro Convida. Na verdade, ele está de volta ao ponto de partida, pois foi nesta instituição onde tudo começou. “Oficialmente, meu primeiro show foi no Clube do Choro, em 1998, dividindo o palco com o violonista Daniel Santiago e o percussionista Amoy Ribas”, lembra.

De Brasília saiu em meados da década passada para se radicar no Rio de Janeiro, cidade que tomou como base para a universalização de sua música. Mas sempre volta à origem. Em abril de 2017, por exemplo, gravou no Teatro Plínio Marcos, do Complexo Cultural da Funarte, o DVD e o CD, que está lançando agora.

“No DVD tive como convidados dois mestres: Maurício Einhorn, que me apresentou ao universo da harmônica; e Hermeto Pascoal, de quem busquei assimilar todos os caminhos e atalhos que levam ao processo de criação, improvisação. No registro dos 11 temas que formam o repertório, estiveram ao meu lado os músicos do meu quinteto, Eduardo Farias (piano), André Vasconcellos (baixo), Rafael Barata (bateria e Sérgio Coelho (trombone)”, destaca Grossi.

Composições autorais

O repertório traz, predominantemente, composições autorais, entre elas Samba pro Toots, Toca Raul e Pro Bituca (com a qual homenageia Milton Nascimento), e a que dá nome ao projeto. Hermeto Pascoal assina Irmãos latinos, em que tem participação. Já a gaita de Maurício Einhorn é ouvida em Batida diferente, parceria dele com Durval Ferreira, e em Carinhoso (Pixinguinha e João de Barro). “Vou mostrar, também, em primeira audição, inéditas como Tango pro Botero, que fiz com Eduardo Farias, na Colômbia”, anuncia.

Diante da impossibilidade de contar neste show na capital com o seu quinteto, Grossi vai tocar com um trio, tendo em sua companhia o pianista Eduardo Farias e o baterista Edu Ribeiro. “Esse retorno ao Clube do Choro me permite voltar no tempo e lembrar não apenas do meu começo ali, como também das tantas vezes que subi ao palco como coadjuvante de expoentes da MPB como João Donato, Dominguinhos, Paulo Moura e Marco Pereira e Hamilton de Holanda”, comenta.

Grossi se recorda ainda de alguns dos discos que lançou. De Diz que fui por aí, o de estreia, ao Nascente, de 2016, em homenagem a Guinga e Hermeto, dele e do violonista Félix Júnior. Outros, ressaltados, são o Afinidade, em duo com Marco Pereira; e o Arapuca, no qual focalizou o universo da cultura nordestina.

Em suas andanças pelo exterior, o instrumentista já fez apresentações em mais de 40 países da América, Europa, Ásia,  África e Oceania. “Já fiz shows solo, com trios e outras formações em festivais e turnês. Sempre recebo acolhida calorosa do público. Mas tocar em Brasília, por estar em casa, é sempre algo que me emociona”, frisa.



Gabriel Grossi Trio

Hoje e amanhã, às 21h, pelo projeto Clube do Choro Convida. No Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao Lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia para estudante). Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade