Publicidade

Correio Braziliense

Membro de equipes técnicas de cinema, Roque Fritsch será enterrado no Gama

O eletricista que marcou gerações do cinema local morreu em decorrência de câncer nos ossos e severos problemas renais


postado em 06/06/2018 16:09

Técnico experiente para o audiovisual de Brasília, o eletricista, produtor e ocasional ator gaúcho Roque Fritsch, morto na manhã de hoje, será enterrado no Cemitério Parque Memorial Novo Gama, depois de enfrentar, nos últimos sete anos, uma série de complicações ligadas à saúde. Nascido em Picada São Paulo, Roque trabalhou com muitos representantes de diferentes vertentes do cinema local, dividindo o talento com diretores como Iberê Carvalho, Geraldo Moraes, Vladimir Carvalho Pedro Lacerda e Catarina Accioly. "Ele foi uma uma pessoa muito querida por todos do cinema de Brasília, tendo ajudado a profissionalizar muitas pessoas", resumiu Jimmi Figueiredo, diretor de longas como Malícia e Cru. Roque Fritsch chegou em Brasília no começo dos anos de 1980, e tomou parte de muitas produções, com mais de 30 participações em longas e mais de 100 curtas no currículo. Chegou a ser dublê de Renato Aragão, durante a feitura da comédia Uma escola atrapalhada. Sérios problemas renais e o desenvolvimento de câncer nos ossos levaram à morte de Roque, aos 61 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade