Publicidade

Correio Braziliense

Indiana Nomma canta Pela luta de Mercedes Sosa

A cantora Indiana Nomma se apresenta hoje, no Feitiço Mineiro, com clássicos da diva argentina


postado em 07/07/2018 06:38

Indiana Nomma: 'Esse show é um convite à reflexão pelos ideais de uma geração'(foto: Marcelo Castello Branco/Divulgação)
Indiana Nomma: 'Esse show é um convite à reflexão pelos ideais de uma geração' (foto: Marcelo Castello Branco/Divulgação)

 
Embora seja uma cidadã do mundo e uma cantora familiarizada com estilos musicais como jazz, blues e soul music, Indiana Nomma tem uma identificação maior com a latinidade. Hondurenha de nascimento — com passagem pelo México, Nicarágua e Costa Rica —, de espírito e alma brasileiros, ela tem profunda admiração pela diva argentina Mercedes Sosa.

“Mercedes sempre foi uma referência musical para mim, desde que, na infância, assisti a um show dela, na Praça da Revolução Sandinista, em Manágua, acompanhada pelos meus pais, exilados pela ditadura militar”, lembra. “A partir dali busquei conhecer melhor a obra de La Negra (como a musa era chamada), destacada representante da cultura latina na trincheira de resistência a regimes militares”, acrescenta

Isso lhe foi possível, porque em casa havia muitos discos de Mercedes, que Indiana costumava ouvir com atenção. “Quando voltei ao Brasil, e vim morar em Brasília, deixei um pouco de lado essas canções, uma vez que passei a me dedicar a outro gênero musical. Oficialmente, iniciei minha carreira como vocalista da BSB Disco Club, grupo que fez muito sucesso, principalmente na década de 1990, quando cumpriu seguidas temporadas no extinto Gate’s Pub, na 403 Sul”, conta.

Na capital, paralelamente, Indiana participou de outros projetos em que pontificava a intérprete eclética, capaz de passear por repertórios diversos, explorando diferentes estilos e sonoridades. Uma de suas melhores recordações, daquele período, foi um show que fez na Academia de Tênis, abrindo para a estrela norte-americana Gloria Gaynor.

“Em 2003, ainda morando na cidade, criei o projeto Tributo a Mercedes Sosa. A estreia foi no Feitiço Mineiro. Como havia assumido compromisso com o saudoso Jorge Ferreira, subi ao palco três dias depois da morte da minha mãe”, recorda-se. “A partir dali, nunca mais deixei de fazê-lo duas vezes por ano, mesmo depois que fui morar no Rio de Janeiro. Uma delas em julho, mês da morte de Mercedes, em 2009”, complementa.

De volta a Brasília e ao Feitiço, Indiana se apresenta hoje, às 22h, acompanhada pelo pianista José Cabrera e o baterista Renato Glória, tendo como convidada a cantora uruguaia Gabriela Doti. Ela interpretará músicas importantes do legado de Mercedes, como Alfonsina y el mar, Canción com todos, Duerme negrito, Gracias a la vida e Volver a los 17. “Esse show é um convite à reflexão pelos ideais de uma geração e de seus herdeiros. Um convite ao respeito humano à dignidade e à voz do povo”, enfatiza.

SERVIÇO
 
Tributo a Mercedes Sosa
Show de Indiana Nomma, acompanhada por José Cabrera (piano), Renato Glória (bateria) e participação de Gabriela Doti, hoje, às 22h, no Feitiço Mineiro (306 Norte). Couvert artístico R$ 30. Não recomendado para menores de 16 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade