Publicidade

Correio Braziliense

Talentos jovens despontam na música, e requisitam atenção redobrada

Enzo Rabelo e MC Bruninho se destacam e levantam discussão sobre presença das crianças no mundo do entretenimento


postado em 10/07/2018 07:44

Enzo Rabelo é filho do cantor sertanejo Bruno, da dupla Bruno & Marrone(foto: Facebook/Reprodução)
Enzo Rabelo é filho do cantor sertanejo Bruno, da dupla Bruno & Marrone (foto: Facebook/Reprodução)

 
A presença de jovens cantores no mundo da música costuma ser uma faca de dois gumes. Se por um lado revela um talento precoce que merece ser celebrado, por outro evidencia a necessidade de um cuidado maior com a pressão social que se revela por conta da fama. Nos últimos meses, essa discussão voltou à tona com o destaque de dois jovens artistas: o sertanejo Enzo Rabelo, 10 anos, e o brega funk MC Bruninho, 11. Ambos ficaram conhecidos por conta de vídeos na internet e, aos poucos, têm conquistado admiradores.

“O grande desafio é ser algo meio paradoxal para os pais. Muitas vezes, eles ficam deslumbrados por terem um filho com habilidade especial e, em circunstâncias brasileiras, em que isso pode tirar a família da miséria, acabam enchendo a bola dos filhos. Mas a fama é algo fugaz, nem todas as crianças que foram cantores bem-sucedidos na infância e adolescência se tornaram adultos de sucesso”, analisa o Mario Louzã, médico psiquiatra e psicanalista.
 
MC Bruninho estourou com a música Jogo de amor, sucesso nas plataformas digitais(foto: Facebook/Reprodução)
MC Bruninho estourou com a música Jogo de amor, sucesso nas plataformas digitais (foto: Facebook/Reprodução)
 

Nascido Richardson Cardoso, o recifense MC Bruninho se tornou um fenômeno ao lançar em maio a faixa Jogo do amor, com uma letra romântica, como mostra o início da canção: “O amor que eu sinto por você/ Nada disso você deve entender/ O teu jogo eu sei jogar, mas nunca vou ganhar/ Porque você não sabe o sentido de amar”. O primeiro vídeo da música tem mais de 132 milhões de visualizações no YouTube e o clipe oficial, lançado em junho, em parceria com a GR6 Filmes, já foi assistido mais de 21 milhões de vezes na plataforma. No Spotify, a música entrou para o top 50 das músicas mais ouvidas do streaming.

Apesar de cantar a sofrência, um território adulto na música, é possível perceber um cuidado em torno da carreira de Bruninho. O novo clipe de Jogo do amor, que teve direção de Caio Canine, busca um diálogo com a idade do cantor ao apostar em uma estética infantojuvenil. Um ponto que pode ser importante na carreira de estrelas mirins, que estão amparadas pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que, no artigo 149, dispõe sobre a participação da criança e do adolescente no trabalho artístico tentando evitar excessos para os menores.


Apoio

Para o médico psiquiatra e psicanalista Mario Louzã, os jovens talentos necessitam de acompanhamento tanto especializado quanto familiar. “O desafio é lidar com o emocional para não se tornar embriagado pela fama. Mas esse é um desafio para todos nós, cada um na sua proporção. Fama e poder despertam um narcisismo em nós”, explica. “O maior problema é que a fama às vezes acontece num espaço de tempo em que não dá tempo para preparar. A criança acorda e no dia seguinte já é famosa”, completa.

No caso do jovem Enzo Rabelo, a fama é algo de família. Ele é filho do cantor Bruno, da dupla Bruno & Marrone. E esse pode ser um ponto a favor do pequeno, já que o pai tem mais de 30 anos de carreira e ao longo da trajetória precisou lidar com múltiiplos problemas.

Assim como Bruninho, Rabelo viu o sucesso surgir na internet ao lançar a música Meio caminho andado no YouTube. Escrito por Waleria Leão e Thales Lessa, a faixa tem mais de 6 milhões de views no YouTube e mostra o jovem talento cantando acompanhado do pai, que aparece ao fundo tocando violão ao lado de outros instrumentistas.

Desafios

Apesar de Bruninho e Enzo serem os jovens talentos em destaque no momento, o Brasil tem um histórico de crianças artistas no mundo da música. Desde a dupla Sandy & Junior e a Turma do Balão Mágico até os mais recentes como as funkeiras MC Melody e Elis MC, a brega funk MC Loma e a rapper MC Soffia, sem falar no programa de competição musical, o The voice kids, que teve três temporadas exibidas na Globo.

Além dos desafios emocionais, Louzã enfatiza outros pontos que devem ser levados em consideração nas carreiras precoces. “É muito comum que a criança tenha um tom de voz, uma característica que a torne interessante e quando chega na adolescência ou na vida adulta, o corpo, a voz e essa característica mudam. É aí que está o problema, como chega rápido, pode ir embora. Muitas crianças famosas se tornaram adultos problemáticos”, lembra. O médico cita alguns artistas que tiveram problemas em suas carreiras, como Rafael Ilha, ex-Polegar, e o cantor Justin Bieber, que, após chegar a maioridade, se envolveu em confusões e problemas.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade