Publicidade

Correio Braziliense

Violoncelista Jaques Morelembaum se apresenta no Clube do Choro

Música sobe ao palco ao lado do CelloSam3ATrio


postado em 12/07/2018 07:30 / atualizado em 12/07/2018 10:53

Jaques Morlembaum se apresenta com o CelloSam3ATrio(foto: Roberto Cifarelli/divulgação)
Jaques Morlembaum se apresenta com o CelloSam3ATrio (foto: Roberto Cifarelli/divulgação)

 

Os cantores e compositores que participaram da bossa nova não foram os únicos influenciados por João Gilberto. Músicos de outras gerações também beberam na fonte do genial artista, nascido em Juazeiro (BA), que deu importante contribuição para o processo de internacionalização da música popular brasileira.

Jaques Morelembaum, violoncelista que integrou as bandas de Tom Jobim, Caetano Veloso e Gilberto Gil, revela que o som criado por João foi determinante para a formação do CelloSam3ATrio, grupo que o tem como líder. “A audição de um disco dele, só de voz e violão, lançado em 1973, me inspirou a  transcrever aquela sonoridade. Aí, convidei o violonista brasiliense Lula Galvão para desenvolver um projeto comigo, que resultou no trio”, lembra Morelembaum.

Para compor o grupo foi convocado o baterista Marcelo Costa e, assim, surgia, há 13 anos, o CelloSam3ATrio, que estreou em grande estilo, fazendo uma turnê pela Europa. No retorno ao Brasil, os três passaram a se ocupar com outros compromissos artísticos, mas sem deixar de lado o trabalho com o trio.

“Mas chegou um momento em que não pudemos mais contar com o Marcelo e então o Lula sugeriu para substituí-lo o Rafael Barata,  jovem baterista com quem já havia tocado e sobre o qual teceu muitos elogios”, destaca o violoncelista. “Desde então, temos levado o nosso projeto adiante, com frequentes turnês nacionais e internacionais. Em 2014, lançamos, pela Biscoito Fino, o CD Saudade do futuro – Futuro da saudade”, acrescenta.

Neste CD foram registradas músicas que o trio tocou em shows pelos Estados Unidos, Europa, Argentina e por cidades brasileiras. Entre elas estão Ar livre e Maracatuesday, temas compostos por Morellembaum; e arranjos para Coração vagabundo (Caetano Veloso), Eu vim da Bahia (Gilberto Gil) e Sambô sambô (João Donato).

Em apresentação hoje e amanhã, às 21h, no Espaço Cultural do Choro, o CelloSam3ATrio tem como referência o repertório da recente excursão por países europeus, em que teve a companhia da cantora Paulo Morelembaum. “Na turnê que fizemos em maio, estivemos em Portugal, Espanha, Itália, Holanda, Áustria e Alemanha. Nos shows, homenageamos Tom Jobim e aproveitamos para comemorar os 60 anos da Bosa Nova”, frisa. “É impressionante a admiração que os europeus têm por esse estilo musical que é, ao mesmo tempo, popular e sofisticado. No Blue Note de Milão, tivemos que fazer duas sessões, com casa lotada”, comemora.

Por 10 anos, entre 1984 e 1994, Jaques Morelembaum foi um dos integrantes da Nova Banda, que acompanhava Tom Jobim. Com Caetano Veloso, tocou de 1992 a 2005, e, paralelamente, esteve ao lado — em estúdio e no palco — de Egberto Gismonti. “Eu e Paula desenvolvemos também um projeto com Ryuichiy Sakamoto, músico japonês radicado em Nova York, que trabalhou com David Bowie e David Byrne”, comenta.


Jaques Morelembau e o CellosAM3Trio
Show hoje e amanhã, às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos R$ 40 e R$ 20 (meia para estudantes). Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.
 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade