Publicidade

Correio Braziliense

Capital Moto Clube completa 15 anos e celebra união com cena cultural

Evento traz shows e programas culturais à capital


postado em 19/07/2018 07:30 / atualizado em 18/07/2018 18:48

Marco Portinho:
Marco Portinho: "Em 10 dias de evento, nossa expectativa é reunir 700 mil pessoas" (foto: Paulo Cavera/Divulgacao)

 
 
Considerado o maior evento de motociclistas da América Latina, os números do Moto Capital Week impressionam. Anualmente, o festival recebe uma média de 680 mil pessoas em um espaço de 250 mil metros quadrados e só no ano passado movimentou na economia brasiliense R$ 55 milhões.

Nesses 15 anos de história, o festival cresceu e conquistou o público, desde os motociclistas,  roqueiros, até famílias e as crianças. Neste ano, o objetivo é chegar a ainda mais pessoas. “Definimos um conceito de falar sobre pessoas, que é uma das bases da sustentabilidade. Engajamos motoclubes e parceiros para essa relação de paz e amor. Queremos devolver um pouco desse universo da moto: a irmandade, a solidariedade e o cuidado com o meio ambiente”, explica Juliana Jacinto, uma das organizadoras ao lado de Marco Portinho (leia entrevista) e Pedro Affonso Franco.

A edição comemorativa começa hoje e segue até o dia 28 na Granja do Torto, com shows de 48 atrações musicais, presença de motoclubes de várias regiões do país e do mundo, área de hospedagem, programação para o público infantil, feira da agricultura familiar e espaço de marcas empreendedoras da cidade, como BSB Mix e Primeiro Bar, até um salão de beleza.

Novidades

A união com o rock é um conceito antigo do Capital Moto Week, mas retorna ainda mais forte na edição deste ano, que pretende celebrar o gênero que tem raízes em Brasília. Até por isso, o line-up é formado por nomes de destaque do estilo na cidade, como Raimundos, Scalene e Capital Inicial, que se apresentam nos dias 20, 21 e 28, respectivamente, e também por uma programação específica para o rock da cidade, o projeto Rock Brasília, no dia 22.

O Rock Brasília foi feito com apoio e curadoria de três parceiros, os festivais CoMA, Porão do Rock e Toma Rock, que indicaram as bandas do cenário autoral da cidade: Horta, Toro, K-libre, Humbold, Zumbido e Komodo. “Vamos comemorar a capital do rock com ajuda desses festivais que são consagrados”, completa Juliana.

Mas o rock não será o único homenageado do Capital Moto Week. Personagens da cena cultural brasiliense como ilustradores e artistas plásticos Ralfe Braga e Toninho Euzébio também estarão no festival com exposições. “É uma cidade de entretenimento e queremos celebrar os filhos de Brasília nesses 10 dias”, explica a organizadora.

"Definimos um conceito de falar sobre pessoas, que é uma das bases da sustentabilidade. Engajamos motoclubes e parceiros para essa relação de paz e amor" (foto: Paulo Cavera/Divulgacao)


Mulheres

O público feminino também está no foco do evento, já que o número de mulheres cresceu no ano passado, sendo o equivalente a 46% do público. “Já foi algo muito diferente, quando elas eram apenas 30% e eles ,70%. Mas isso mudou muito. Hoje se tem motoclubes só de mulheres, motoclubes chefiados por mulheres”, conta Juliana, para explicar o motivo de investir nesse público.

 se reflete na presença do espaço Lady Bikers e no projeto Mulheres do rock, que ocorrerá no dia 25 com a presença de Batalá e Beatriz Sousa, Kid Cegonha, Women in rock e Diamond rock. “Queremos comemorar isso também, o protagonismo feminino. Por isso buscamos bandas comandadas por mulheres ou com mulheres no elenco”, revela.
 
Entrevista: Marco Portinho
 
Qual a importância de um evento como o Brasília Capital Moto Week para a cidade?
Em 10 dias de evento, nossa expectativa é reunir 700 mil pessoas. Em 2017 tivemos 332 mil motos. A partir de sexta-feira, quando começa a festa, estamos prevendo entre 350 e 380 mil motos.


É um encontro só para motociclistas?
Não! É para quem gosta de rock da melhor qualidade, para quem curte reunir os amigos e tomar uma cerveja gelada. É um mundo que é todos nós. Destaco que este evento é da cidade. Todos são bem-vindos, é um encontro de muita paz e confraternização.


Vem gente do mundo inteiro...
Isso mesmo. Recebemos motociclistas de todos os estados brasileiros, de toda a América Latina (exceto a Venezuela, infelizmente). Toda hora chega gente na Granja do Torto (risos). Motociclistas de Nova York, do Canadá, da Europa... Para se ter uma ideia, estamos esperando oito irlandeses — será o quarto ano que participam, eles descem no Rio de Janeiro, alugam motos possantes e sobem para Brasília, porque eles acham lindo o caminho do Rio para cá, e é lindo mesmo (risos). A diferença entre viajar de moto e de carro é a seguinte: de carro, você curte a paisagem, de moto, você faz parte dela.


Como vai funcionar o espaço para acampamentos?
Temos dois campings. Um tem estacionamento próprio, banheiros, toda infraestrutura (o valor é em torno de R$ 30 por dia e cabe 1,7 mil pessoas), o outro é para quem quiser. Só não pode incomodar os vizinhos (risos). Nesse espaço, no ano passado, ficaram 20 mil pessoas ao longo do evento.


Uma festa desse padrão movimenta a economia do DF. Vamos falar de números?
Nós movimentamos, em 10 dias, R$ 55 milhões, são números expressivos para a economia da capital. Cerca de 15 mil pessoas trabalham direta ou indiretamente no encontro.


Como tudo começou?
Evento de moto tem todo dia, todo fim de semana pelo país. Começamos o nosso, depois as pessoas se aproximaram para participar. Deu certo. Aí perguntamos: por que não chamar uma banda de rock? Começamos! No primeiro encontro,nós tivemos 32 motoclubes acampados. Hoje nós temos 216. Mas no evento todo foram, por exemplo, 1,5 mil motoclubes no ano passado.


Qual seria a marca registrada desta 15ª edição? Música, moto e amizade?
Essas são marcas registradas desde a primeira. A gente não abre mão. Mas, atualmente, estamos com uma pegada para sustentabilidade, igualdade de gênero, diversidade. Somos todos irmãos! Ninguém é melhor do que ninguém, só porque tem uma moto mais cara que a outra. Tudo com muita paz. Em 14 edições, para se ter uma ideia, nunca tivemos um boletim de ocorrência. 


Capital Moto Week 
Granja do Torto. De hoje até 28 de julho. Com shows, encontro de motoclubes, feira de agricultura familiar, camping, espaço kids, entre outros. Entrada a R$ 28 (meia) e R$ 168 (passaporte de 10 dias). Assinantes do Correio pagam valor de meia-entrada. Não recomendado para menores de 18 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade