Publicidade

Correio Braziliense

Música na Árvore leva experiência musical gratuita a Brasília

Grupos de música instrumental se apresentam nos três dias de evento


postado em 25/07/2018 10:20 / atualizado em 25/07/2018 13:55

Novo projeto de Dillo D'Araujo, GuitarrÁfrika se apresenta três noites seguidas(foto: Gui Campos/Divulgação)
Novo projeto de Dillo D'Araujo, GuitarrÁfrika se apresenta três noites seguidas (foto: Gui Campos/Divulgação)

Com o mote música e natureza, o Música na Árvore volta para a inédita edição dedicada ao estilo instrumental. Iniciativa de André Trindade, o evento busca oferecer conscientização ambiental e boa música. “O Música na Árvore sempre teve a pegada de pegar bens culturais e levar ao público gratuitamente”, explica.

Ele acredita que a música instrumental merece mais espaço do que tem, e a coloca como bem cultural pela riqueza que pode proporcionar em termos experimentais. “Queremos democratizar a música experimental, que é referência para tantos artistas e as pessoas não param para escutar às vezes, chamam de chato”, defende. 

Duas atrações se apresentam por dia a partir desta quarta-feira (25/7), em frente ao Conic. Novo projeto do guitarrista Dillo D’Áraujo, GuitarrÁfrika percorre os três dias da programação e ainda divide a agenda com o contraste entre pop e underground de Transquarto, a brasilidade jazzística de Mario Noya e o saxofone experiente de Leo Gandelman.

Fusão de Matizes


Experimental é como se encaixa o estilo de Dillo D’Áraujo, que, movido pela vontade de fazer som distinto, viajou em pesquisa à África, onde colheu referências para o projeto GuitarrÁfrika.

O afrobeat e outros rítmos do continente ancestral foram fundidos à tupiniquim guitarrada, gênero tradicional paraense. Apesar de os ingredientes serem bastantes conhecidos e explorados por músicos, “a fusão é nova”, segundo ele. 

“Eu estava em busca de uma contribuição inédita ao fundir essas matizes, além de outras”, revela o guitarrista, que se apresentará acompanhado do baixista Lucas Tufas e do baterista Robinho Batera. 

O público poderá observar Dillo tocar uma oil can, instrumento africano incorporado a sua nova sonoridade. O músico aguarda lançamento de “álbum visual” gravado ao vivo, com imagens das passagens por África e Chile. 

Programação 

25/7 (quarta): Transquarto e GuitarrÁfrika
26/7 (quinta): Mario Noya e GuitarrÁfrika
27/7 (sexta): GuitarrÁfrika e Leo Gandelman

Serviço

Música na Árvore
CONIC (SHCS Edifício Venâncio).  Em 25 a 27 de julho. Com GuitarrÁfrika, Leo Gandelman, Transquarto e Mario Noya. Entrada franca. Classificação indicativa livre
 
*Estagiário sob supervisão de Adriana Izel 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade