Publicidade

Correio Braziliense

Dois filmes vão representar o Brasil no Festival Internacional de Veneza

Da diretora Flávia Castro, 'Deslembro' está na mostra paralela Horizontes, e 'Humberto Mauro', de André Di Mauro, na Veneza Clássicos


postado em 26/07/2018 10:30

O filme 'First man' (Universal), dirigido por Damien Chazelle, abrirá o Festival de Veneza, no dia 29 de agosto. (foto: Divulgação/Universal)
O filme 'First man' (Universal), dirigido por Damien Chazelle, abrirá o Festival de Veneza, no dia 29 de agosto. (foto: Divulgação/Universal)
 
Deslembro, de Flávia Castro, representa o Brasil no Festival Internacional de Veneza, que ocorre de 28 de agosto a 8 de setembro na cidade italiana. A lista com os finalistas foi apresentada pela Bienal de Veneza, nesta quarta-feira (25).

O filme concorre na mostra paralela Horizontes, que dá especial atenção a realizadores iniciantes, que ainda não estejam totalmente estabelecidos. O documentário Humberto Mauro, de André Di Mauro, será apresentado na Veneza Clássicos - Documentários.

Os filmes brasileiros não foram selecionados para a mostra principal, a Veneza 75, na qual concorrem 20 longas-metragens. O filme First man (Universal), dirigido por Damien Chazelle, abrirá o Festival de Veneza, no dia 29 de agosto. Ryan Gosling interpreta o atronauta Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua. O remake de A star is born (Warner Bros), dirigido e estrelado por Bradley Cooper ao lado de Lady Gaga, também estreia em Veneza. 

HORIZONTE
 
  • Sulla mia pelle (Itália), de Alessio Cremonini 
  • Manta Ray (Tailândia, França, China), de Phuttiphong Aroonpheng 
  • Soni (Índia), de Ivan Ayr (India)
  • The river  (Cazaquistão, Polônia, Noruega), de Emir Baigazin
  • La noche de 12 anos (Espanha, Argentina, França), de  Alvaro Brechner
  • Deslembro (Brasil, França e Qatar), de Flavia Castro 
  • The announcement (Turquia e Bulgária), de Mahmut Fazil Coskun 
  • Un giorno all’Improvviso (Itália), de Ciro D’Emilio 
  • Charlie says (Estados Unidos), Mary Harron 
  • Amanda (França), de Mikhael Hers 
  • The day I lost my shadow (Síria, Líbano, França, Qatar), de Soudade Kaadan 
  • L’Enkas (França), de Sarah Marx 
  • The man who surprised everyone (Rússia, Estonia e França), de Evgeniy Tsiganov, Natalya Kudryashowa 
  • Through the holes (Indonésia e Austrália), de Garin Nugroho 
  • As I lay dying (Irã), de Mostafa Sayyari (Iran)
  • La profezia dell’armadillo (Itália), de Emanuele Scaringi 
  • Stripped (Israel e Alemanha), de Yaron Shani
  • Jinpa, de Pema Tseden (China)
  • Tel Aviv on fire (Luxemburgo, França, Israel e Bélgica), de Same Zoabi  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade