Publicidade

Correio Braziliense

Em novo livro, Marcelo Benini quer desconstruir conceitos

Poeta lança "Currais concretos", livro de poemas curtos


postado em 02/08/2018 07:30 / atualizado em 01/08/2018 19:46

"É necessário poetas para que o mundo respire", defende Marcelo Benini (foto: Luiz Clementino/Divulgação)

Marcelo Benini não está interessado em definições. Em Currais concretos, seu mais recente trabalho de poemas curtos, ele ultrapassa a fronteira dos significados para mostrar outras visões possíveis do que está nas pessoas. O livro será lançado amanhã, no Martinica Café (303 Norte).

“Quero desconstruir conceitos empedrados e construir coisa nova, desatar nós e colocar leveza”, diz o poeta mineiro radicado em Brasília. A nova obra é a quarta publicação de Benini. Três são de poesia. Foge à curva O homem interdito (2012), em que troca poema por crônica, e, no lugar das habituais referências à natureza, aborda temas urbanos. Não abre mão, contudo, de “linguagem mais poética”, mesmo nas crônicas.

Assim como em O capim sobre o coleiro (2010), Fazenda de cacos (2014), em Currais concretos o autor parte da natureza para chegar ao íntimo humano. Ele conta viver num núcleo rural onde absorve inspiração. “Lá, tenho contato com pássaros, abelhas, plantas e literatura.”

“Minha poesia é muito voltada para a natureza, mas não de contemplação ou exaltação. Minha visão é proporcionar uma nova capacidade de entendimento do homem”, conta, referindo-se à natureza como parte de uma metáfora para a revisão humana que propõe.

Participações

Além de alusões à natureza, três das quatro obras que escreveu se conectam por meio de ilustrações de Ralfe Braga, amigo de longa data de Benini. O artista plástico é responsável pela capa dos três livros de poesia; dois deles guardam ainda mais similaridade. “As capas de Currais concretos e de Fazenda de cacos são parte da mesma série pinturas a óleos”, revela. “Os livros se comunicam”, completa.

Do prefácio assinado pelo premiado escritor Ronaldo Cagiano, Benini destaca o termo “transubstanciação”, que acredita se aplicar bem aos próprios versos. A palavra significa transformação de uma substância em outra.

“A voz poética de Benini parece reverberar um solo em que o artista transfere à palavra (...) um repertório de pura transubstanciação da realidade”, registrou Cagiano.
 
Benini, evitando ser categórico ao explicar a escolha do título Currais concretos (que também é título de um poema do livro), considera: “Vivemos nesses currais todos os dias. A poesia é para dizer que o limite fica mais além. É sempre possível buscar além”.

*Estagiário sob supervisão de Igor Silveira



Currais concretos 

Escrito por Marcelo Benini. Editora Intermeios, 132 páginas. Preço sugerido: R$ 40. Lançamento do livro Currais concretos. Amanhã, às 19h30, no Martinica Café (SCLN 303 Bl, A Lj. 4) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade