Publicidade

Correio Braziliense

Pernambucano de 15 anos vai lançar dueto com Safadão

Após Loma e Bruninho, é a vez de Ruanzinho levar o brega às paradas de sucessos nacionais


postado em 06/08/2018 09:05

(foto: Reprodução/Youtube e Reprodução/Instagram)
(foto: Reprodução/Youtube e Reprodução/Instagram)
Ao ganhar repercussão na internet em janeiro deste ano, MC Loma parece ter iniciado um novo fenômeno na música brega pernambucana: cantores mirins que ascendem nas plataformas digitais de forma meteórica. Indo além das visualizações, eles despertam a atenção de artistas nacionais e grandes produtoras musicais. MC Bruninho, do hit Jogo do amor, que o diga. Agora, o nome da vez é Ruanzinho, um adolescente de 15 anos que está viralizando com um batidão romântico - nova vertente do brega - chamado Sou favela.

Após uma semana do lançamento, a faixa já ultrapassou meio milhão de reproduções no YouTube, conquistou cantores como Wesley Safadão, Léo Santana (ex-Parangolé) e ganhou uma regravação da banda Saia Rodada. No Instagram, o número de seguidores do garoto saltou de 3 mil para 80 mil em três dias. O sucesso nas mídias digitais fez o morador do bairro de Dois Unidos, na Zona Norte do Recife, viajar até Fortaleza (CE) para regravar a canção em um dueto com Safadão. O clipe da parceria, filmado na WS Estúdio, já está pronto e deve ser lançado nesta semana. Na capital cearense, Ruanzinho ainda disputou uma partida de futebol organizada por Wesley com amigos.

“Antes, eu queria ser jogador de futebol, mas essa carreira de cantor parece estar dando certo e estou bem animado. Está tudo sendo um sonho para mim”, diz Ruan, em entrevista ao Viver. “O Safadão foi bem legal comigo, achei ele bem humilde.” O adolescente diz que sempre gostou de cantar músicas de diversos gêneros, como sertanejo, forró e pagode. Apesar de Sou favela ser um batidão romântico, ele afirma que não irá se prender em um estilo. 

Na música, o recifense segue os passos de Bruninho ao apostar em um romance apropriado para sua idade, sem conotações sexuais, nas canções. Também existe uma tentativa de causar comoção por uma leve abordagem de desigualdade social, mostrando os desafios de um menino da periferia em conquistar uma menina de outra classe social. “Sou do morro, sou favela, mas meu coração se apaixonou por essa Cinderela. / Ela é da Zona Sul, loirinha do olho azul e o impasse é o pai dela, / Só porque eu sou ‘neguim’, moro num barraquim, mas dei a chave do meu coração pra ela”.
 
 

O rumo ao hit 


A história de Ruan de Lima Sales com o mundo da música começou há algumas semanas, quando o compositor pernambucano Walter Pereira viu vídeos do menino cantando no Instagram. Após conhecer o adolescente, ele elaborou a letra de Sou favela e, em seguida, levou o garoto para o estúdio de Dany Bala (um dos principais produtores do brega-funk), localizado no bairro de Cajueiro, na Zona Norte. Foi lá que a faixa ganhou a roupagem do batidão romântico, ritmo que tem feito sucesso em Pernambuco com MC Elvis - e no Brasil inteiro com Bruninho.

"A repercussão começou antes da música ser lançada, quando eu levei Ruan para um estúdio em Caruaru. Ele cantou Sou favela em um formato acústico, só com voz e piano. Publicamos esse vídeo no Instagram e a viralização foi instantânea”, explica Davi Firma, empresário que está cuidando da carreira do adolescente. A música começou conquistando artistas recifense, como MC Japão, que deu oportunidade para o menino cantar em um dos seus shows.

Depois, a gravação chegou em artistas nacionais, a exemplo de Léo Santana. "O Léo disse para mim por telefone que se emocionou quando ouviu a música. Na letra, o Ruan canta ‘sou neguin’ e ‘morro num barraquin'. Ele lembrou de sua infância e ficou com muita vontade de conhecer o menino", revela Davi.

Próximos passos

Ruan já está na mira das gigantes do funk de São Paulo, incluindo as empresas que gerenciam as carreiras de Loma e Bruninho. Todos parecem querer mais um talento mirim de Pernambuco. O empresário Davi Firma explica que realizará uma viagem à capital paulista para analisar as propostas com atenção. O menino, no entanto, ficará no Recife. “Ele fica porque as aulas já começaram. Estamos estudando toda essa questão da educação, pois ele precisa concluir os estudos".

Apesar de estar se tornando uma aposta da música, Ruan diz que voltará para a escola com o mesmo pensamento que tinha que entrou de férias. “Vou continuar com meus amigos, estudando e jogando uma ‘pelada’. Podem pedir para tirar fotos, mas isso eu já até estou fazendo” diz ele, que atualmente cursa o 9º do Ensino Fundamental II. Agora, quer realizar o sonho de conhecer Ferrugem, pagodeiro carioca que está entre seus artistas favoritos. Certamente, essa realização não terá muito obstáculo. Se ele assinar com alguma das produtoras, deve se tornar um novo capítulo na nacionalização do brega.

Confira a regravação de Saia Rodada:
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade