Publicidade

Correio Braziliense

Conheça os primeiros LPs de Brasília

A cidade de Taguatinga era a que abrigava a maior parte dos grupos e artistas envolvidos com as músicas, e foi de lá que surgiram Os Quadradões e El Son 7, as duas bandas pioneiras e responsáveis pelos dois primeiros LPs de Brasília


postado em 19/08/2018 07:15 / atualizado em 28/08/2018 19:22

Grupo Os Quadradões: atração dos bailes que movimentavam a juventude brasiliense(foto: Arquivo Pessoal)
Grupo Os Quadradões: atração dos bailes que movimentavam a juventude brasiliense (foto: Arquivo Pessoal)


O ano era 1969, e o ambiente musical na capital do país vivia um momento intenso. As emissoras de tevê naquela época, ainda em preto e branco, já faziam programas dedicados especialmente para as produções musicais de Brasília.

A cidade de Taguatinga era a que abrigava a maior parte dos grupos e artistas envolvidos com as músicas, e foi de lá que surgiram Os Quadradões e El Son 7, as duas bandas pioneiras e responsáveis pelos dois primeiros LPs de Brasília.

“Os grupos naquela época em sua maioria eram bandas de baile que se constituíam num mercado com muita vitalidade, tendo em vista a enorme quantidade de clubes que promoviam os mais variados tipos de festas”, conta Ribah Nascimento, integrante de Os Quadradões.

El Son 7, já naquele tempo era uma banda veterana, e baseou seu repertório em covers de músicas de sucesso, as preferidas dos bailes, gravando o seu LP  em um dos primeiros estúdios de Brasília, o PR Estúdio.

Álbum do grupo de baile El Son 7(foto: João Marcelo Ecco/Maldoror Discos/Divulgação)
Álbum do grupo de baile El Son 7 (foto: João Marcelo Ecco/Maldoror Discos/Divulgação)


Por outro lado, Os Quadradões eram considerados uma banda do ‘segundo time” — assim eram chamadas as bandas especializadas em música jovem —. “As nossas referências (dos Quadradões) eram, naturalmente, a Jovem Guarda, a MPB e o tropicalismo. No entanto, havia uma diferença com essas referências, e, no nosso caso, a gente se ligava em música negra americana, como James Brown, Wilson Picket e Aretha Franklin”, detalha Ribah.

Além da contribuição dos integrantes da banda, Castelo (vocais), Vandinha (vocais), Ari Nascimento (baixo), Ribah Nascimento (guitarra), Ed Carmo (bateria), Eurípedes Rosa (órgão), Vicente Paulo (trompete) e Waldemar (sax), o grupo contou com a contribuição de três compositores recém-chegados do Piauí, que começavam uma longa trajetória como autores musicais: Clodo Ferreira, — que chegou a ser guitarrista da banda —, Clésio Ferreira, e Climério Ferreira — que escreveu o texto de apresentação na contracapa.

Disco do grupo Os Quadradões: atração (foto: João Marcelo Ecco/Maldoror Discos/Divulgação)
Disco do grupo Os Quadradões: atração (foto: João Marcelo Ecco/Maldoror Discos/Divulgação)


“No repertório do disco Os Quadradões há um pouco de tudo, como ensinava a recente Tropicália que reinava como a novidade da música brasileira no ano de 1969. Taguatinga era um caldeirão de novas bandas, com guitarras elétricas e influência de modelos internacionais. Essa banda, especificamente, decidiu apostar nos ritmos fortes, guitarra, baixo, sopros e reinterpretação de músicas muito conhecidas. E, melhor que isso, lançou compositores inéditos da cidade”, conta Clodo Ferreira.

“Tínhamos muita vontade de fazer um disco, e a partir do momento que soubemos da existência de um estúdio de dois canais no Edifício Ceará, no Plano Piloto, onde daria pra gravar uma banda, sabíamos que essa era nossa grande oportunidade, e começamos a nos organizar. O primeiro passo foi reunir um número de canções que não ultrapassasse o tempo suportável por cada lado do disco, pois isso era muito importante para a qualidade sonora. Quanto mais tempo tinha as faixas, pior ficava  a qualidade devido ao estreitamento dos sulcos do vinil. Outra coisa importante era que a banda tinha que estar muitíssimo bem ensaiada, porque cada tomada, de cada canção, já tinha que ser o produto final, mixado e masterizado.

A ideia de gravar canções autorais, de compositores nativos, além das releituras de canções conhecidas, também nos preocupava, tanto que fizemos algumas canções e gravamos músicas de Clodo Ferreira e Climério Ferreira. Queríamos fazer um disco “moderno”. Conseguimos uma capa bem psicodélica e um texto maravilhoso de Climério Ferreira, de apresentação da banda, que muito nos honrou. Lembro-me também de que não havia entre nós nenhuma ideia do que seria fazer sucesso, apenas queríamos ‘fazer um som’ e gravar um disco, essa era a “vibe”, era muito romântico, quase ingênuo. De alguma forma, aquilo era a nossa Liverpool, era a nossa maneira de entrar em conexão com o que se fazia em outros lugares do mundo naquele momento!” Depoimento de Ribah (MD)


Faixas 

Os Quadradões — Os quadradões (1969) — PR Studio

1 - Funky funky broadway

 2 - A hora do amor

3 - I need you

 4 - Only you

5 - Que

 6 - Ribedd

 7 - Professor particular

8 - Vereda tropical

 9 - Em prosa e verso

 10 - Entardecer

 11 - Tipica serenata

 12 - When you touche me 
 


 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade