Publicidade

Correio Braziliense

Dramaturgo João das Neves morre aos 84 anos

João das Neves lutava contra um câncer e morreu em Belo Horizonte


postado em 24/08/2018 10:32 / atualizado em 24/08/2018 10:32

João das Neves dirigiu peças e shows de importantes nomes da música e do teatro nacional(foto: Taina Azeredo/Divulgação)
João das Neves dirigiu peças e shows de importantes nomes da música e do teatro nacional (foto: Taina Azeredo/Divulgação)
 

 

Morreu nesta sexta-feira, 24, o dramaturgo João das Neves. Ele tinha câncer e morreu em sua casa em Lagoa Santa, região metropolitana de Belo Horizonte. O carioca deixou seu nome marcado na história do teatro brasileiro com trabalhos de autor, iluminador, diretor e ator.

Nascido no Rio de Janeiro em 1934, Neves teve contato com teatro no início na adolescência e em 1950 se formou ator e diretor na Fundação Brasileira de Teatro. Seu primeiro grupo chamava-se Os Duendes, quando também dirigia o Teatro Arthur Azevedo, no bairro do Campo Grande. A companhia não teve grande atuação, pois o governo Carlos Lacerda expulsou o diretor do teatro sob acusação de comunismo e propaganda subversiva.

Nesse intervalo, fundou o Centro Popular de Cultura (CPC), onde era responsável pelo Teatro de Rua. Após o golpe militar de 1964, o CPC é posto na ilegalidade e os integrantes se reorganizaram para a criação do emblemático Grupo Opinião, um dos primeiros coletivos de teatro engajado no Rio.

Neves não esteve ligado apenas ao teatro, trabalhando com artistas como a cantora Titane na direção do show Inseto raro (1993). Também dirigiu shows de Baden Powell, João do Vale, Chico Buarque, Milton Nascimento e Geraldo Vandré.

Em 2012 encenou a versão de Zumbi, de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri, com 10 atores negros em cena. A peça remete ao clássico Arena conta Zumbi, dos anos 1960, apresentada no Teatro de Arena. Em 2015, nas comemorações de 80 anos, o ator e diretor ganhou uma exposição, Ocupação João das Neves, no Itaú Cultural. Radicado em Minas Gerais, ele encenou Zumbi, Madame Satã, sobre a personagem ícone da Lapa carioca.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade