Publicidade

Correio Braziliense

André Giusti vai ao cerne das relações em 'A solidão do livro emprestado'

O relançamento do livro ocorrerá nesta terça (4/9), às 18h, no Beirute da Asa Norte


postado em 04/09/2018 07:10

O escritor André Giusti: carreira de três décadas no jornalismo(foto: Arquivo pessoal)
O escritor André Giusti: carreira de três décadas no jornalismo (foto: Arquivo pessoal)
 
 
Jornalista há cerca de 30 anos, André Giusti alia a concisão que sua profissão exige à escrita poética e imaginativa nas obras publicadas. Foram oito livros: seis compilados de contos, um volume de crônicas e outro de poesia. Em 2013, resgatou Voando pela noite (até de manhã), que marcou, em 1996, a estreia do carioca como autor literário. 

Desta vez, Giusti relança o segundo livro da carreira: A solidão do livro emprestado, compilado de 11 contos unidos pelo fio das relações, original de 2003. As linhas enxutas — que dão espaço para metáforas inspiradas — trazem diferentes tipos de relacionamentos sem cair em idealizações. 

Ele relança o livro 15 anos depois da primeira edição sem medo de que os contos soem anacrônicos. “As histórias permanecem atuais. Nele, as pessoas não falam ao celular, mas é um livro sobre relações. Homem e mulher, pai e filho — isso desde que mundo é mundo tem um espírito muito permanente”, avalia.

Foi motivado a relançar, principalmente, por pessoas próximas. “Muitos amigos consideram meu melhor livro”, diz. Soma-se a expectativa de impulsionamento promovido pela internet, responsável por dar “visibilidade a autores que, como eu, na época, tinham um círculo de leitores ainda mais restrito”.

Giusti não nega passar um pouco de si para os personagens. O amor ao rock é um dos sentimentos que compartilha com alguns de seus protagonistas, por exemplo. “Respinga um pouco da gente”, confessa o autor que prepara o primeiro romance.

Homenagem à língua

Gustavo Dourado presta homenagem à língua portuguesa em grande estilo: conta a história de célebres autores lusófonos por meio da prosa. Na obra Cordelos, reúne 57 cordéis biográficos de nomes como Camões, Machado de Assis, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Hilda Hilst, Fernando Pessoa, entre dezenas de outros. Xilogravuras do artista plástico Goári complementam os versos. O livro foi lançado este mês pelo próprio selo do autor, Dourado Editores. 
 
(foto: Penalux/Divulgação)
(foto: Penalux/Divulgação)
 

A solidão do livro emprestado
De André Giusti. Editora: Penalux. 188 páginas. Preço: R$ 40

 
Cordelos
De Gustavo Dourado, Editora: Dourado Editores, 140 páginas,  Preço: R$ 50.  Lançamento do livro A solidão do livro emprestado.  Hoje, às 18h, no Beirute (CLN 107 Bl D; 3272-0123)
 
Estagiário sob a supervisão de José Carlos Vieira. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade