Publicidade

Correio Braziliense

Bares, restaurantes e casas de shows atraem clientela com diversidade

Mesmo com o rigor da Lei do Silêncio, os estabelecimentos de Brasília resistem


postado em 05/09/2018 06:45 / atualizado em 04/09/2018 20:09

(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press - 17/4/18)
(foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press - 17/4/18)


Manifestação artística de maior popularidade entre os brasileiros, a música tem no brasiliense um grande apreciador. Por conta disso, há muito, a capital entrou na rota das turnês dos grandes artistas nacionais e internacionais, que ocupam, cada vez mais, palcos de teatros, casas de shows e o Ginásio Nilson Nelson.

Com a reforma do Estádio Nacional Mané Garrincha, aquele local passou a ser usado por estrelas da música pop. Paul McCartney, Beyoncé e Pearl Jam já cantaram ali; e, em outubro, será a vez de Rogers Waters. Entre os brasileiros, aquela arena recebeu recentemente Roberto Carlos e acolheu, sábado último, os tribalistas Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown em show memorável.

Já os cantores e grupos locais têm nos bares e restaurantes seu porto seguro. Nesses lugares eles, em busca da aceitação, mostram para os frequentadores que estão produzindo. Mesmo com a crise econômica, que se alastra por toda parte e os rigores da Lei do Silêncio batendo à porta dos estabelecimentos, os proprietários resistem e continuam oferecendo a música como um atrativo adicional à bebida e à comida — itens essenciais sugeridos no cardápio.

O Correio destaca aqui alguns desses lugares do circuito noturno, no Plano Piloto e em outras cidades do DF, em que a música, além de contribuir para a fruição da arte e do entretenimento, aproxima os boêmios e gourmants, no salutar exercício da diversão. Eles têm como referência diferentes gêneros dessa arte milenar, que, de acordo com os historiadores, teve origem na pré-história.

Feitiço Mineiro (306 Norte) 
• Misto de bar, restaurante e casa de shows, o tradicional Feitiço Mineiro comemora, em outubro, 29 anos de ininterrupto funcionamento. Lá, onde a culinária mineira está sempre em destaque, a música é tida como carro-chefe. “Ao longo dos anos, temos promovido aqui importantes projetos, como o Gente do Samba, que teve a participação de bambas como Nelson Sargento, Monarco, Walter Alfaiate, Noca da Portela e Dona Ivone Lara; e o que celebra o aniversário do Feitiço”, destaca Jerson Alvim, diretor artístico da casa. “Mantemos também projetos com artistas locais, entre eles o Música para todos, às segundas-feiras; o Três no Brega, com Nilson Lima, André 14 Voltas e o Madelon Cabral; e o Dolls and Dames, em que Indiana Nomma e AlmaThomas interpretam clássicos do jazz e do blues”, acrescenta.

Outro Calaf (Setor Bancário Norte) 
• Ponto de encontro de boêmios, apreciadores de samba e de estudantes universitários, o Outro Calaf — que já se chamou Bar do Calaf — foi criado há 28 anos; e, desde sempre, teve a música como atração. “Inicialmente, eram oferecidos pequenos shows de voz e violão, mas, a partir de 2002, a programação da casa passou a ter uma dimensão maior, com os concorridos shows do grupo Samba-Choro, aos sábados, que, em breve, terá à frente o Coisa Nossa”, conta Tino Freitas, coordenador da programação da casa. “Em seguida, vieram a noite do Criolina, às segundas-feiras; e a roda de samba do Adora Roda, atual 7 na Roda, às terças-feiras, em cartaz há 11 anos. Outra roda que chama a atenção aqui é a comandada pelo coletivo feminino Mulheres de Samba”, complementa.


Piratas Bar (SIG/Sudoeste) 
• Há oito anos, funciona na Quadra 6, Lote 1515 do Setor de Indústrias Gráficas na região do Sudoeste, o Piratas Bar, onde a música é o maior atrativo. “Em nossa casa, abrimos espaço para diversos gêneros musicais durante toda a semana. Abrimos a programação com jazz às segundas-feiras; temos shows de pop rock, às terças e sextas-feiras; e música sertaneja às quartas-feiras, sábados e domingos. Uma das atrações fixas é a dupla Bonni & Beluco”, destaca Arthur Weiler. A partir de quinta-feira, a frequência aumenta bastante, e chegamos a receber algo em torno de 300 pessoas”, constata.


La Bela Bistrô (QI 27, Guará 2) 
• Com 15 anos de existência, o La Bella Bistrô passou a oferecer música ao vivo para a clientela em 2015. “Promovemos shows às sextas-feiras com MPB, pop rock e jazz de artistas brasilienses e criamos uma plateia cativa”, informa Lucas Rodrigues, sócio do estabelecimento. “Na última sexta-feira, as atrações foram o cantor e compositor Salomão Di Paula e o violonista Agilson Rodrigues, que interpretaram músicas de Noel Rosa, Cartola, Paulinho da Viola, Tom Jobim, Renato Russo e Cazuza”, destaca.
 

Rio Botequim (Rua 33, Águas Claras) 
• Há três anos em Águas Claras, o Rio Botequim sempre teve música ao vivo em seu cardápio. “Criamos a cultura de oferecer boa música para os frequentadores da casa e de prestigiar os cantores e músicos da cidade, e a resposta dos clientes tem sido muito boa”, diz a sócia-proprietária Ana Carolina Alves. A programação é variada e inclui música sertaneja às terças-feiras; axé music, às quartas; pop rock; às quintas, sertanejo; às sextas, samba à tarde e pop rock à noite aos sábados; e música sertaneja aos domingos.


Bamboa Brasil (Setor Hípico) 
• Inaugurada em julho de 2015, a Bamboa Brasil tem desenvolvida extensa programação com a apresentação de artistas consagrados do pop rock nacional e, principalmente, de duplas famosas da música sertaneja. Mas há predominância de shows de duplas da cidade, entre eles Pedro Paulo & Matheus, Henrique & Ruan, Jhonny & Rahony e Raniel & Rafael. “Embora haja uma predominância de música sertaneja, temos recebido em nosso palco cantores e bandas de pop rock, axé music e pagode. As duplas sertanejas de Brasília sempre tiveram muito espaço na Bamboa e conquistaram o reconhecimento do público”, ressalta a sócia-proprietária Jane Mota.

Bar do Kareca (Praça da CNF/ Taguatinga)
• Tradição em Taguatinga, o Bar do Kareca, há 15 anos, se instalou na Praça da QNF. “Desde sempre, a música tem um lugar de destaque em nosso dia a dia. Valorizar os músicos locais tem sido uma de nossas bandeiras”, afirma o proprietário do Kareca, Jaile de Assis. “De terça-feira a domingo, privilegiamos a MPB e o rock nacional e internacional, com show em que o público curte hits das bandas de Brasília, outros estados e Beatles, por exemplo. Sábado último, a banda Paulo Mesquita e os Brancos homenageou a Legião Urbana”, conta.
 
 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade