Publicidade

Correio Braziliense

Artistas comentam a morte de Beatriz Segall e prestam homenagens

Amigos e colegas de trabalho de Beatriz Segall publicaram depoimentos e publicaram fotos com a atriz nas redes sociais


postado em 05/09/2018 17:05 / atualizado em 05/09/2018 17:17

(foto: Acervo-Tv-Globo)
(foto: Acervo-Tv-Globo)

 
A morte da atriz Beatriz Segall foi comentada por artistas e amigos da dama da tevê nas redes sociais nesta quarta-feira (5/9). A atriz Glória Pires, que trabalhou com Beatriz em novelas como Vale tudo e Dancin’days, lamentou a perda da colega. “Acabei de saber do falecimento da grande Beatriz Segall. Sei que ela está em um bom lugar, mas é uma grande perda pra gente”, comentou Pires em publicação no Instagram. 

Em entrevista ao canal GloboNews, o dramaturgo Aguinaldo Silva, um dos escritores da novela Vale tudo, falou sobre a personagem Odete Roitman, um dos trabalhos de maior destaque da atriz: “Não posso negar que Odete Roitman foi uma criação geral primorosa e que a Beatriz Segall tornou mais genial e primorosa ainda”, comentou Aguinaldo. 

O dramaturgo Walcyr Carrasco também prestou homenagem ao trabalho de Beatriz. Em publicação no Instagram, o escritor escreveu: “Perdemos #BeatrizSegall a grande dama do teatro e da televisão, inesquecível no papel de Odete Roitman. Mais um grande talento que se foi! Fez grandes e importantes peças de teatro, inclusive na resistência à ditadura militar! Adeus!”.
 
 
Nomes como Patrícia Pillar, Regiane Alves, Daniela Mercury e Serginho Groisman também prestaram homenagens a Beatriz nas redes sociais. “Beatriz Segall uma incrível atriz e uma mulher que fez da arte sua vida. Sempre com atitudes atentas e contemporâneas. De imediato será lembrada por seus incríveis papéis na TV. Mas temos que honrá-la também pelos seus lindos trabalhos no teatro e cinema. Fica em paz”, escreveu o apresentador Serginho Groisman em publicação no Instagram.
 
  
 
O ator João Côrtes lembrou da parceria com Beatriz em Os experientes, série da Globo em que a atriz realizou sua última participação nas telinhas. "Ela me ensinou muito. Me ensinou a me cuidar, olhar para dentro de mim, me ensinou a fazer com verdade, ou melhor não fazer. Tive o imenso prazer e honra de observar, contracenar, conviver e aprender com ela durante o tempo que filmamos Os experientes juntos", escreveu João, em publicação no Instagram. 
 
 
Além das manifestações de artistas, a morte de Beatriz Segall também foi lembrada pelo Ministério da Cultura (MinC). “É com grande pesar que o Ministério da Cultura recebe, nesta quarta-feira (5/9), a notícia do falecimento da atriz Beatriz Segall, aos 92 anos, em São Paulo (SP). O Ministério da Cultura se solidariza com a família, amigos e admiradores de Beatriz Segall”, escreveu a assessoria de imprensa do MinC na página oficial do órgão. 
  
Memórias das telonas 
 
Em depoimento ao Correio, o cineasta Alain Fresnot falou sobre a perda. Fresnot dirigiu o longa-metragem Desmundo, em que Beatriz interpretou a personagem Dona Brites. 

O filme, de 2003, conquistou o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro do ano seguinte, nas categorias melhor figurino, melhor maquiagem e melhor direção de arte. Beatriz também recebeu indicações para o troféu de melhor atriz coadjuvante com o longa. 

Apesar de ser lembrada principalmente pelos papéis na televisão e no teatro, as participações de Beatriz Segall no cinema também merecem destaque. “A Beatriz me deu a honra de trabalhar em Desmundo e de aceitar fazer a Dona Brites, que nem era uma das personagens principais, de maior relevância”, conta Fresnot.

Ver galeria . 9 Fotos Beatriz Segall no documentário Fora do Figurino, dirigido por dirigido por Paulo PélicoRaiz Filmes/Divulgação
Beatriz Segall no documentário Fora do Figurino, dirigido por dirigido por Paulo Pélico (foto: Raiz Filmes/Divulgação )


O cineasta também lembra da presença de Beatriz durante as gravações do filme: “Ela foi muito tranquila. Era uma mulher de vasta cultura, excepcionalmente profissional. Ela era de um bom humor!”, ressalta Fresnot. 

O artista lamenta a perda, e lembra que Beatriz esteve presente durante momentos de importância para o cenário artístico brasileiro: “Ela acompanhou a cultura desde meados dos anos 1950”, afirma o diretor de cinema. Para ele, o trabalho de Beatriz Segall será imortalizado: “Ela é uma dama, uma grande atriz de primeiríssimo time e uma mulher de muita coragem. Ela foi um presente”, completa o cineasta. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade