Publicidade

Correio Braziliense

Wilzy Carioca faz homenagem à bossa nova no Clube do Choro

Com o show Brinde à bossa nova, a cantora traz repertório com joias do gênero


postado em 11/09/2018 06:43

Wilzy Carioca faz homenagem, hoje, no Clube do Choro, ao gênero(foto: Pedro Teixeira/Divulgação)
Wilzy Carioca faz homenagem, hoje, no Clube do Choro, ao gênero (foto: Pedro Teixeira/Divulgação)
 
 
Wilzy Carioca é cearense, é cantora, mas se dedica mais à preparação de participantes de corais. Em 40 anos de carreira, lançou dois discos, e não costuma fazer shows com frequência. Ela criou o projeto Série Brindes, com o qual reverencia grandes nomes da música popular brasileira. Hoje, às 21h, na apresentação que faz no Espaço Cultural do Choro, homenagerará pilares da bossa nova — em especial Antônio Carlos Jobim e João Gilberto.

“Nasci no mesmo ano do surgimento da bossa nova, e, no show que faço pelo projeto Chega de saudade, celebrararei as seis décadas do movimento que trouxe sofisticação para a MPB, tendo como foco principal os três criadores, Tom Jobim, Vinicius de Moraes e João Gilberto, embora interpretarei também criações de outros artistas que têm ligação com o movimento”, explica Wilzy.

A cantora tem no Brinde à bossa nova (este é o nome do show) a companhia de renomados instrumentistas brasilienses: Moema Craveiro Campos (piano e acordeon), Sidnei Maia (flauta transversal) e Pedro Miranda (contrabaixo). Há ainda a participação especial do coral feminino da AABB-FENABB-DF.

“Minha formação como cantora tem tudo a ver com a bossa nova. Cresci ouvindo canções que se tornaram clássicos, compostas por mestres, como Tom Jobim, Carlos Lyra, Roberto Menescal, João Donato e Baden Powell”, lembra. “Em quase todos os meus shows, canto algumas dessas músicas. Agora, em razão dos 60 anos da bossa nova, quis homenageá-la.”

O repertório traz, entre outras, Você (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli), Influência do jazz (Carlos Lyra), Samba de verão (Marcos e Paulo Sérgio Valle), Pra que chorar (Baden Powell e Vinicius de Moraes), Tim tim por tim tim (Geraldo Jaques), A rã (João Donato), Beijo partido (Toninho Horta). O encerramento, em grande estilo, vai ser com um medley que reúne composições de Tom Jobim e parceiros: Desafinado, Dindim, Garota de Ipanema, Pois é, Se todos fosse iguais a você e Só danço samba.

“O Coral da AABB, do qual sou regente desde o começo deste ano, faz participação especial, me acompanhando no medley em tributo a Tom Jobim, e também a João Gilberto, que gravou algumas dessas canções. Interpretá-las é, para mim, uma grande responsabilidade, mas não fujo disso em razão da grande admiração que tenho por esses ícones da bossa nova”, comenta.

Foi no Coral do Sesc que Wilzy Carioca iniciou sua carreira de cantora. Outra atribuição a que se dedica é ligada a corais, como professora. “Faço menos shows do que gostaria. Lancei dois discos, o Canção brasileira, em 2004; e o De cor — Brinde a Fernando Marques. Nesse, homenageei a um amigo e contemporâneo da Universidade de Brasília”, destaca.



Brinde à bossa nova
Show da cantora Wilzy Carioca e banda, com a participação do Coral da AABB-FENAB, hoje, às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental, ao lado do Centro de Convenções Ulysses Guimarães). Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada para estudantes). Não recomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade