Publicidade

Correio Braziliense

José Almeida Júnior participa de Festival Literário em Portugal

Autor potiguar radicado em Brasília ganhou o Prêmio Sesc


postado em 11/09/2018 16:39 / atualizado em 11/09/2018 17:16

José Almeida Júnior, o escritor radicado em Brasília que participará do evento literário(foto: Kenia Ribeiro)
José Almeida Júnior, o escritor radicado em Brasília que participará do evento literário (foto: Kenia Ribeiro)

 

De 27 de setembro a 7 de outubro, seis autores revelados pelo Prêmio Sesc de Literatura participam da programação do Festival Literário Internacional de Óbidos, em Portugal. João Meirelles Filho, Luisa Geisler, Marcos Peres, Lucia Bettencourt, Alexandre Marques Rodrigues e José Almeida Júnior irão compor mesas de debates e contarão ao público sobre as experiências de vida. 

 

Potiguar radicado em Brasília, José Almeida Júnior, vencedor do Prêmio Sesc de Literatura 2017 com o romance Última Hora, está confirmado na programação do Festival Literário Internacional de Óbidos 2018. Ele participará dos Encontros com Autores brasileiros

 

No romance, um  jornalista torturado pela ditadura de Vargas aceita trabalhar no jornal criado por Samuel Wainer porque passava por sérias dificuldades financeiras. No entanto, o personagem vive um conflito: o salário vem da mesma fonte que o torturou, já que o jornal nasceu no início da década de 1950 para apoiar o então presidente.  

 

Prêmio Sesc de Literatura

 

Considerado referência por críticos literários e escritores brasileiros, o Prêmio Sesc de Literatura completa 15 anos em 2018 e é visto como porta de entrada para o mercado editorial no Brasil.

 

Desde a criação, o Prêmio teve mais de 12 mil livros inscritos e revelou 27 novos autores. "A presença dos vencedores no Festival Internacional é um grande reconhecimento à iniciativa do Sesc, que oferece uma oportunidade a novos escritores e proporciona uma renovação no panorama literário brasileiro", destaca Henrique Rodrigues, analista de literatura do Departamento Nacional do Sesc.

 

Antes de chegar ao Festival todos os autores descobertos pelo Sesc tiveram os primeiros livros publicados pela editora Record, como parte do Prêmio, e foram incluídos nas programações culturais organizadas pela Instituição, onde puderam percorrer o Brasil para lançar suas respectivas obras. 

 

"Nesses 15 anos, o Prêmio desenvolveu-se e tornou-se uma das principais iniciativas nacionais do gênero no país. Com isso, muitos escritores revelados pelo Sesc passaram a se destacar também fora do Brasil, o que explica a presença no Folio", conclui Henrique. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade