Publicidade

Correio Braziliense

Spok mistura choro e frevo em show no Clube do Choro

Saxofonista terá companhia de Victor Angeleas, Márcio Marinho e Valério Xavier


postado em 13/09/2018 07:21 / atualizado em 13/09/2018 07:21

O maestro pernambucano apresenta canções do gênero com músicos brasilienses(foto: Edson Acioli/Divulgação)
O maestro pernambucano apresenta canções do gênero com músicos brasilienses (foto: Edson Acioli/Divulgação)

 

Ao se apresentar no Cerrado Jazz Festival, no primeiro final de semana de agosto, Spok teve como convidados os músicos brasilienses Victor Angeleas (bandolim), Márcio Marinho (cavaquinho) e Valério Xavier (pandeiro). Mais recentemente, foi a vez do saxofonista pernambucano tomar parte no Face musical, programa que os dois primeiros mantêm na internet.

Eles voltam a se encontrar no Rodas – De choro e frevo, show que ocupa o palco Espaço Cultural do Choro, hoje e amanhã, às 21h. “Ao ser convidado pelo Reco do Bandolim para nova apresentação em projeto no Clube do Choro, quis ter esses meninos, que são instrumentistas virtuosos, em minha companhia. Depois de conversarmos, chegamos a um consenso, e decidimos reunir choro e frevo no show que denominamos Rodas”, explica Spock. A eles se junta o violonista Fernando César.

Maestro e compositor da SpockFrevoOrquestra, um dos grupos de maior sucesso ligado ao tradicional gênero musical de Pernambuco, o saxofoniasta foi apresentado ao choro quando era estudante, mas não chegou a se aprofundar na busca de um conhecimento maior. “O frevo e o jazz são estilos que predominam em meu repertório. Eventualmente, dependendo da situação, toco choro. Agora, em Brasília é que vou participar, pela primeira vez, de uma roda de choro, mas também vai ter frevo”, destaca.

“Para mim, será um privilégio tocar com Spok, um dos músicos de maior representatividade da música pernambucana, conhecido e reverenciado nacional e internacionalmente. Acredito que o Márcio, Valerinho e Fernando têm o mesmo pensamento. Na conversa que tivemos, chegamos à conclusão de que vamos levar ao público só choros de compositores daquele estado, a que homenageamos”, ressalta Victor.

Na lista foram incluídos Lúcia e Caeté (Luperce Miranda), Ansiedade (Rossini Ferreira), Niltoante (Marco César e João Lyra), Anfíbio (Moacyr Santos), Maluquinho (Zé Menezes) e Pro Hermínio (Jacaré). “Vamos tocar, ainda, Spock no carimbó, que compus com Márcio Marinho e Cainã Cavalcante”, anuncia Victor.

Juntar-se aos músicos brasilienses numa roda de choro não é a única novidade que Spock experimenta atualmente. “Meu mais novo projeto é a gravação de um disco de rock como cantor. Compus um rock, intitulado Raízes, que já está gravado e disponível no YouTube. É mais uma experiência na qual estou envolvido, mas vou levar diante”, afirma.

Originário de Igarassú (PE), Spock iniciou a trajetória na música aos 13 anos, na Escola Polivalente de Abreu Lima, com o professor Policarpo Lyra Filho (Maninho). Em 1986, já em Recife, passou a estudar no Centro Profissionalizante de Criatividade Musical, onde teve como mestre o maestro Edson Rodrigues. Há 10 anos, o saxofonista comanda a apoteose de encerramento oficial do carnaval da capital pernambucana, à frente da Orquestrão Multicultural, com aproximadamente 200 músicos, e a participação de outros 10 renomados maestros.



Rodas — De choro e de frevo
Show com Spock, Victor Angeleas, Márcio Marinho, Valério Xavier e Fernando César, hoje e amanhã, às 21h, no Espaço Cultural do Choro (Eixo Monumental). Ingressos: R$ 40 e R$ 20 (meia para estudantes). Não reecomendado para menores de 14 anos. Informações: 3224-0599.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade