Publicidade

Correio Braziliense

Sexto encontro de palhaças de Brasília será no CCBB

O Centro Cultural Banco do Brasil recebe, entre os dias 10 e 14 de outubro, o VI Encontro de Palhaças de Brasília, Festival Palhaças do Mundo


postado em 09/10/2018 06:28 / atualizado em 09/10/2018 06:19

As meninas do Las Panamericanas estarão no Cabaré que burla, na quinta-feira (foto: Carol Oliveira / Divulgação)
As meninas do Las Panamericanas estarão no Cabaré que burla, na quinta-feira (foto: Carol Oliveira / Divulgação)

 

Quando começaram a aparecer na arte da palhaçaria, era mais comum vê-las em hospitais ou, às vezes, nas ruas. Os picadeiros, porém, eram quase exclusivamente masculinos. De lá para cá, muita coisa mudou. As palhaças se uniram, aperfeiçoaram técnicas e amplificaram a presença nos mais diversos cenários.


O Festival Palhaças do Mundo surgiu para celebrar, com toda a alegria característica dessas profissionais, a diversidade que está inclusa no pacote. Serão quatro dias, de 10 a 14 de outubro, com oficinas, exibição de curtas, espetáculos, discussões e debates. O objetivo, segundo a idealizadora e palhaça Manuela Castelo Branco, é encantar e educar tanto crianças quanto adultos para a realidade das palhaças no Brasil.

Em 2017, o evento levou cerca de 8 mil pessoas para a lona de circo, segundo a organizadora. Contudo, o maior foco não é em números e sim em quem elas querem atingir: as meninas. “Queremos mostrar que elas podem ser quem quiserem ser, inclusive palhaças!”, ressalta Manu.

Debaixo das lonas da Circa Brasilina, espaço formado por duas tendas que será montado no canteiro do CCBB, a ideia é apresentar as diferentes variações e possibilidades. As comemorações também se estendem ao espaço do Centro Cultural, que completa 18 anos no dia 12 de outubro.

Por mais que a programação seja, em sua maioria, livre para todos os públicos, é preciso que os pais estejam atentos à classificação indicativa de alguns espetáculos. Aqueles que acontecem às 16h são voltados para o público infantil. Já algumas sessões previstas para mais tarde “trazem as bufonas e as burlescas”, como explica a organizadora.
 
A palhaça e veterinária Porpeta é incomodada por celular em A coisa do humano(foto: Wigna Ribeiro / Divulgação)
A palhaça e veterinária Porpeta é incomodada por celular em A coisa do humano (foto: Wigna Ribeiro / Divulgação)
 
 
Quem observa a programação pode estranhar as sessões nomeadas de cabarés, mas a origem do termo remonta a espetáculos circenses, diferentemente do sentido mais popular e conhecido por todos que nomeia um espaço mais burlesco. No festival e nos circos, os cabarés nada mais representam que uma sequência de números e apresentações mais curtas. “A gente busca trazer uma reflexão ao público sobre a atuação e a história das mulheres como palhaças e desvincular esses espetáculos desse sentido burlesco e sexual, mostrar essa força cômica das mulheres que é tão pouco explorada”, explica Manuela Castelo Branco.

Para comemorar o Dia das Crianças, uma boa dica é o Cabaré da Nega, que ocorre a partir das 21h. Com clima mais leve e composto por números curtos, ele traz a importante temática racial à tona ao ser um dos primeiros de Brasília a ser conduzido por uma palhaça negra, Ana Luiza Bellacosta.

Cuidado e carinho

Além da programação voltada ao público externo, que busca valorizar as profissionais e apresentar aos espectadores toda a força cômica feminina, o festival também traz programações especiais e voltadas ao público interno, ao aperfeiçoamento da arte e ao cuidado com cada palhaça. Uma delas é a roda de cuidado e autocuidado entre palhaças, ministrada pela terapeuta Cleudes Pessoas, que ocorre amanhã (quarta, 10/10), a partir das 19h. “As rodas de cuidado e autocuidado são uma metodologia e uma estratégia para o fortalecimento da autoestima de mulheres”, ela explica. “As mulheres poderão se automassagear, dançar, cantar, fazer autorreflexões, formar uma rede de palhaças que se protegem e se promovem”.

Outra atividade é a oficina “Do charme ao chorume”, gratuita e conduzida pela bufona Aline Marques. O aumento de mulheres interessadas pela bufonaria incentivou a criação desta oficina, que resultará num cabaré próprio que fechará a programação do festival. As interessadas podem se inscrever pelo e-mail circabrasilina@gmail.com. As vagas são limitadas.

Durante todos os dias de festival, será exibida a segunda temporada do seriado Palhaças do Mundo. Nele, 12 episódios dirigidos pela organizadora Manuela Castelo Branco, a palhaça Matusquella, exploram a vida e a carreira de diferentes palhaças ao redor do globo, com foco nas brasileiras, mas sem esquecer aquelas que também vivem ou trabalham no exterior. “Ele é muito importante para palhaças novas, por exemplo, porque apresenta a elas histórias de palhaças já mais relevantes”, exemplifica Manu.

As oficinas e os debates são todos gratuitos. Para assistir aos espetáculos, é preciso comprar ingresso na bilheteria do CCBB.

* Estagiária sob a supervisão Severino Francisco

Programação

Quarta, 10 de outubro
9h às 12h 
Oficina
• Do charme ao chorume 
(Aline Marques) - gratuito

19h às 21h 
• Roda de cuidado e Autocuidado entre palhaças – Cleudes Pessoa (DF) - gratuito

Quinta, 11 de outubro

9h às 12h 
Oficina
• Do charme ao chorume (Aline Marques/RS) - gratuito

18h30 
Curta Palhaças
• Seriado Palhaças do mundo (Manuela Castelo Branco/DF) - gratuito

19h às 20h30 
Palhaças em Tese
• Bate-papo sobre o Seriado palhaças do mundo (Manuela Castelo Branco/DF) - gratuito

20h30 
Curta Palhaças
• Seriado Palhaças do mundo (Manuela Castelo Branco/DF) - gratuito

21h 
Cabaré que Burla 
• (Mestres de cerimônia: Nara Menezes/PE e  Las Panamericanas/RJ)

Sexta, 12 de outubro




9h às 12h 
Oficina
• Do charme ao chorume (Aline Marques/RS) - gratuito

10h às 11h 
Palhaças pela paz 
• (Thais Kuri/DF) - gratuito

16h às 17h 
Decripolou totepou 
• (Odília Nunes/PE)

17h às 18h30 
Palhaças em tese
• Lançamento do livro As tintas do riso (Nayara Homem/BA) - gratuito

18h30
Curta Palhaças 
• Seriado Palhaças do mundo (Manuela Castelo Branco/DF) - gratuito

19h às 20h 
As Desempregadas 
• (Maria Tavares e Julia Maia/DF) 

20h30 
Curta Palhaças
• Seriado Palhaças do mundo (Manuela Castelo Branco/DF) - gratuito

21h  
Cabaré da Nega
• (Mestres de Cerimônia: Ana Luiza Bellacosta/DF)

Sábado, 13 de outubro

9h às 12h 
Oficina
• Do charme ao chorume (Aline Marques/RS) / gratuito

16h às 17h 
A coisa do humano 
• (Joriana Freitas/CE)

17h às 18h30 
Palhaças em Tese
• A máscara e a sombra: L’ Arte della cortigiana (Joice Aglae/BA) - gratuito

18h30
Curta Palhaças 

 Seriado Palhaças do Mundo (Manuela Castelo Branco/DF) - gratuito

19h às 20h 
Café Buffê
• (Aline Marques  e Eduardo D´Avila/RS)

20h às 23h 
• Festa na Circa (confraternização)

Domingo, 14 de outubro

16h às  17h 
Surpresa 
• (Lia Motta/GO)

17h às  19h 
Palhaças em Tese
• Palhaças em rede (Nara Menezes/RJ) - gratuito

19 às 20h 
As bodas de umbigolina 
• (Joice Agale/BA)

20h30 
Curta Palhaças 
• Seriado Palhaças do Mundo (Manuela Castelo Branco/DF) - gratuito

21h 
Cabaré da Buffa 

• (Mestres de Cerimônia: Aline Marques/RS)   

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade