Publicidade

Correio Braziliense

Grupo de percussão Batalá completa 15 anos: visibilidade para as mulheres

O grupo brasiliense é composto por mais de 100 mulheres


postado em 11/10/2018 06:30 / atualizado em 11/10/2018 10:39

O Batalá brasiliense é o único da franquia que tem como integrantes apenas mulheres(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press )
O Batalá brasiliense é o único da franquia que tem como integrantes apenas mulheres (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press )

Em 1997, o baiano Giba Gonçalves criou em Paris o grupo de estilo batucada Batalá. Nessa altura do campeonato, ele já tinha atuado em equipes como a banda Kaoma e o Tambourlode. O Batalá se espalhou por todo o mundo desde então, e todas as canções tocadas pelo grupo foram compostas pelo seu fundador. Foi Paulo Garcia quem trouxe o ritmo dos tambores para Brasília em 2003. A capital é o único lugar em que um Batalá é formado exclusivamente por mulheres.

Elas se reúnem todo sábado, às 10h, no Estacionamento 11 do Parque da Cidade. Qualquer mulher interessada pode participar de um ensaio e depois conhecer melhor o projeto. “Não é necessário ter conhecimento musical”, explica a integrante Priscila Cecilages. “Em nossos ensaios, as participantes são niveladas e aprendem a tocar até quatro instrumentos: o surdo, a dobra, o repique e a caixa, todos tambores”.

Jornada

Com 15 anos de atuação, o grupo brasiliense é composto hoje por uma centena de mulheres. “Foi uma jornada de amadurecimento, de desenvolvimento”, relembra Paulo, sobre a trajetória da equipe na cidade. “Começamos com 10 ou 15 pessoas, hoje somos uma organização de 100 pessoas. A gente precisou aprender a tomar decisões de forma democrática, atendera todos os lados, lidar com diferenças e com a diversidade”.

As músicas do Batalá resgatam a ancestralidade africana nas composições de Giba Gonçalves. “A essência do Batalá é o amor ao ser humano”, explica Paulo. “Temos essa capacidade e, quando nos juntamos para fazer música, não há limites”.

Coração

O grupo reforça seus valores por meio do mantra “todo mundo tem a inspiração, o som do tambor vem do coração, gente de toda raça, gente de toda cor, eu sou Batalá, eu sou o tambor”. Desse modo, as integrantes reafirmam o respeito mútuo por qualquer pessoa independentemente de raça, cor, credo ou qualquer outro critério.

A festa de 15 anos acontece junto ao Pícnik comemorativo do Dia das Crianças, no Estacionamento 4 do Parque da Cidade, amanhã. “Teremos uma programação especial para crianças com um animador que trabalha com música, elas vão poder conhecer os instrumentos”, explica a percussionista Priscila Cecilages. “Serão três apresentações: às 16h30, às 17h30 e às 20h. A última será também o lançamento do nosso novo CD, Os guris.”

*Estagiária sob supervisão de José Carlos Vieira



Programação

16h30 
• Apresentação Batalá

17h 
• Parabéns do Batalá

17h30 
• Apresentação Batalá com a Banda Marcial do Exército Brasileiro, do Batalhão da Guarda Presidencial (BGP)

18h15 
• Oficina infantil com animador

19h15
• DJ Paula Torelly

20h 
• Apresentação final Batalá — Lançamento do CD Os guris
 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade