Publicidade

Correio Braziliense

Lady Gaga estreia filme no qual interpreta uma cantora

A cantora estreia o longa 'Nasce uma estrela', ao lado de Bradley Cooper


postado em 11/10/2018 06:30 / atualizado em 10/10/2018 19:19

No papel de Ally, uma cantora sem muita segurança, a diva pop Lady Gaga conta que se encontrou(foto: Reprodução/Internet)
No papel de Ally, uma cantora sem muita segurança, a diva pop Lady Gaga conta que se encontrou (foto: Reprodução/Internet)

 

Nem o histórico positivo que envolveu as recorrentes adaptações de Nasce uma estrela, tema para Hollywood em quatro versões de filmes, foi capaz de tranquilizar a cantora e atriz Lady Gaga, na primeira incursão feita por ela num papel de maior relevância em cinema. “A produção me colocou no exato ponto em que precisava: quando a minha personagem trata de quanto se acha feia — aquilo é real. Sou muito insegura. Gostaria de pregar um conteúdo diferente. Mas, nem sempre, pratico o que prego”, explicou a artista à imprensa estrangeira, durante o lançamento do longa dirigido pelo astro de cinema Bradley Cooper. Foi no Festival de Veneza, em agosto passado, que o longa decolou, como possível candidato à premiação do Oscar 2019.

Capitaneado pelo experiente Eric Roth (de filmes como Forrest Gump e O informante), o trio de roteiristas ainda traz o estreante Bradley Cooper e Will Feters (que esteve por trás da adaptação de romance de Nicholas Sparks para a telona). Apesar das atualizações temporais, eles mantêm as bases da trama criada por William Wellman e Robert Carson para o filme de 1937.

Drogas, álcool, amizade e um amor, que une e separa os protagonistas, pontuam o enredo que alterna fracasso e incentivo nas vidas do veterano Jackson Maine (Cooper) e Ally (Lady Gaga). “Tive que superar o nervosismo” foi uma das declarações da atriz Lady Gaga, dona de uma sucessão de inseguranças, na pele de Ally. Enquanto Eric Roth enfatizou o retrato de um “amor épico”, repleto de “imperfeições”, Cooper, para a imprensa estrangeira, sublinhou o “tsunami de emoções” indissociável ao amor de Jack e Ally.

“Ally, a minha personagem, se abre com Maine, que lhe diz que ela é linda, apesar de ela não acreditar nisso”, observou Lady Gaga, na divulgação do novo filme. Ela se disse privilegiada em tomar parte do material que, em 1955, rendeu seis indicações ao Oscar. Com direito a Oscar honorário para o diretor de fotografia W. Howard Greene (inovador no uso das cores, em 1937), a versão dos anos 30 também inspirou o atual filme de Bradley Cooper. Detalhes sobre sobrancelhas (presentes em todos as versões), maquiagem e cenas com muitos toques sutis nos rostos dos personagens foram absorvidos na nova produção.

Sob orçamento de US$ 36 milhões, Nasce uma estrela atenta para o posto de idolatria que permeia todo o histórico do longa que, em versões anteriores, consolidaram as carreiras de atrizes do naipe de Janet Gaynor, Barbra Streisand (que estrelou a versão de 1976) e Judy Garland (indicada ao Oscar, à frente da mesma personagem para a versão de 1954). Para o novo filme, Lady Gaga ganhou talentos exclusivos para cercarem quesitos (especialmente elaborados para ela) como fashion stylist, cabelo, maquiagem e até mesmo treinamento vocal.

Duas horas de cantorias

Em cena, na pele do par romântico da personagem de Gaga, o ator Bradley Cooper teve que afinar a voz, a fim de oferecer performances ao vivo. Para o filme com duração de duas horas e 16 minutos, 40 gravações musicais foram completadas. Junto com composições conhecidas, que ganham breve participação no filme, do qual se ouve músicas eternizadas por Edith Piaf, Judy Garland (Over the rainbow, no caso) e Etta James (At last), somam-se dezenas de criações originais a cargo de cocriadores como Lady Gaga e Bladley Cooper (Alibi, por exemplo, leva a assinatura de ambos).

Entre outras, Bradley emprestou o talento de compositor para as faixas Black eyes e Too far gone, enquanto (ao lado de parceiros), Lady Gaga esteve junto na origem das letras de Shallow e Music to my eyes. Não será surpresa a inclusão de alguma delas, na lista de músicas da premiação do Oscar do ano que vem. Lady Gaga, por sinal, há dois anos, esteve no palco da estatueta dourada, defendendo a concorrente Til it happens to you, integrada à produção do documentário The hunting ground. Premiada na voz da diva Barbra Streisand, Evergreen, música distinguida com o Oscar, na versão de 1976 (indicada para mais outros três Oscar), não entrou no novo Nasce uma estrela.

Construções do início do século 20, o Greek Theatre e o Shrine Auditorium, ao lado do The Forum, serviram como cenário para importantes cenas do filme comandado por Bradley Cooper.
 
OUTRAS ESTREIAS 
 
(foto: Columbia Pictures/Divulgação)
(foto: Columbia Pictures/Divulgação)
Goosebumps 2 — Halloween assomrado
• De Ari Sandel. Comédia e terror se misturam, no filme em que um grupo de jovens se vê afetado pela produção literária de R.L. Stine. Jack Black estrela a fita que é ambientada perto da data do Halloween.


Minha filha
• De Laura Bispuri. Valeria Golino e a pequena atriz Sara Casu estrelam o filme em que uma menina deve tomar decisão muito além de sua capacidade. Ela se vê no meio da crise que envolve a disputa pela maternidade de duas mulheres: uma delas vem a ser a mãe biológica da menina.


Djon África
• De Filipa Reis e João Miller Guerra. A partir do personagem Miguel Moreira, o longa traça tortuosa viagem entre Portugal e Cabo Verde, ocasionada pela descoberta de segredos familiares. Miguel tenta, na epopeia, encontrar o pai que sempre foi enigmático protagonista em histórias contada pela avó dele.

Cinderela e o príncipe secreto
• De Lynne Southerland. Um rato é nesta condição que um príncipe se encontra, a partir de um feitiço lançado por uma bruxa. No desenho animado, caberá a Cinderela desfazer o pacote de maldades criado pela rival. 

  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade