Publicidade

Correio Braziliense

Líder de seita satanista confirma processo contra série da Netflix

A série 'O mundo sombrio de Sabrina' é acusada de plagiar estátua satânica projetada pelo grupo


postado em 09/11/2018 10:06 / atualizado em 09/11/2018 10:06

Objeto na série é o responsável por desavença jurídica(foto: Netflix/Divulgação)
Objeto na série é o responsável por desavença jurídica (foto: Netflix/Divulgação)


A seita satânica The Satanic Temple entrou com um processo de direitos autorais contra o serviço de streaming Netflix e os estúdios Warner Bros. pelo uso de uma estátua na série O mundo sombrio de Sabrina, que estreou no último 26 de outubro. A confirmação foi dada pelo líder do grupo, Lucien Graves por meio de uma conta no Twitter.

De acordo com o norte-americano, o grupo produziu a estátua em 2013 – segundo uma iconografia datada do século 19 - e  mantém a obra em um templo, na cidade de Detroit, nos Estados Unidos. Graves ainda afirmou que a representação estátua, conhecida pelo codinome Baphomet, na série tem uma representação estereotipada do mal.

“Sim, nós estamos tomando uma ação legal pelo fato de O mundo sombrio de Sabrina se apropriar de uma obra nossa com direitos autorais, projetada para promover o ficcional, e asno, pânico satanista deles”, escreveu Graves.
 
 

Em outro tuíte, o líder satanista também escreveu sobre, o que lhe é considerado, uma má representação do grupo: “Nós somos um grupo religioso com um único e central ícone, que foi apropriado sem nossa permissão em uma série que o usa para simbolizar um culto canibalista do mal”.
 
 
 
Graves também postou uma foto comparando as duas estátuas.
 
 
 
Os valores relacionados ao processo ainda são incertos. De acordo com os portais Variety e The Hollywood Reporter, a revisão pelos direitos autorais somam US$ 50 milhões, já o portal inglês NME e a revista People defendem que o valor pode chegar até US$ 450 milhões.

Diversos portais internacionais afirmaram terem entrado em contato com a Netflix e os estúdios Warner para comentar o caso. Entretanto, nenhum dos dois responderam aos questionamentos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade