Publicidade

Correio Braziliense

Fábio de Melo: 'O que me faz celebridade é o Evangelho que anuncio'

Em conversa com o Correio, Padre Fábio de Melo fala sobre a crise de pânico e a depressão e como vem lidando com a doença


postado em 01/12/2018 06:45

Padre Fábio de Melo traz a Brasília a turnê de 'O amor me elegeu'(foto: Pedro Koeler/Divulgação)
Padre Fábio de Melo traz a Brasília a turnê de 'O amor me elegeu' (foto: Pedro Koeler/Divulgação)

O mineiro Fábio José de Melo Silva convive com a depressão e a ansiedade. As doenças do mundo moderno não chamariam tanto a atenção se a pessoa que sofre com elas não fosse alguém religioso e de sucesso. Padre Fábio de Melo mostrou que esse tipo de situação pode atingir qualquer um, mas também provou que é possível se tratar com especialistas e, no caso dele, com muita fé. Às vésperas de completar 48 anos — 17 deles dedicado ao sacerdócio católico e desde 1997 voltado para o apostolado da música —, ele não teve medo de confessar os problemas. E fez mais: usou a superação para ser testemunho da religiosidade, assim como faz com a música.

“Aprendi muito com tudo o que vivi”, conta ele, em entrevista ao Correio. Com palavras de esperança e sempre atento à responsabilidade que tem com a evangelização, padre Fábio de Melo diz que tenta diminuir o ritmo de vida para se cuidar e continuar com o trabalho. Hoje, o religioso se apresenta em Brasília com o show O amor me elegeu. Confira a conversa que ele teve com o jornal.



Padre Fábio de Melo

Show da turnê O amor me elegeu do Padre Fábio de Melo. No Yurb (SCES, Tc. 2). Hoje, às 19h (abertura dos portões) e às 22h (show). Entrada a R$ 60 (pista), R$ 100 (camarote), R$ 600 (mesa setor D), R$ 800 (mesa setor C), R$ 1.000 (mesa setor B) e R$ 1.200 (mesa setor A). Valores de meia-entrada. Menores de 14 anos devem estar acompanhados dos responsáveis.

Como e quando o senhor decidiu ser padre?

Em 1987, fui conhecer o seminário de Lavras e, no ano seguinte, já estava lá. Cresci numa família muito religiosa. A figura do padre sempre disse muito ao meu contexto cultural. Eu via no padre uma pessoa feliz, realizada, fazendo o bem às pessoas. Quis ser também.


Qual a importância da música na sua missão de evangelização?

A música me dá oportunidade de melhorar o mundo. Eu creio no poder da palavra para mim e para os outros. Palavras mal ditas possuem o poder de nos destruir. Palavras bem ditas exercem poder contrário.


E seus projetos para 2019?

Continuar meu trabalho de evangelização. Talvez, gravar um novo DVD para 2019.


O que é ser cristão neste mundo em que o ódio se transforma até em patrimônio político?

A virtude do cristão é a esperança. Eu acredito que a palavra de Jesus é de devolução. Só ela pode nos devolver a paz, a caridade, a partilha e um mundo melhor.


Qual a diferença entre o padre Fábio de Melo celebridade e o padre Fábio de Melo religioso?

Nenhuma. O que me faz celebridade é o Evangelho que anuncio. Eu não consigo pensar o que sou, o que faço sem pensar no que creio. As minhas ações são desdobramentos de minhas convicções de fé.


O senhor está chegando aos 50 anos. Nessa trajetória de vida, o que o fez mais sofrer e o que lhe deu mais felicidade?

Enfrentei crise do pânico e um quadro depressivo. Foi o pior momento da minha vida. Minha maior alegria é quando escuto alguém dizer que o meu trabalho lhe fez ser alguém melhor.


A depressão é um mal do mundo moderno, que deveria ser o mundo das conexões e dos encontros. Como enfrentar essa doença contemporânea? Como o senhor a venceu?

Aprendi muito com tudo o que vivi. Tristeza não é doença, mas quando se estende no tempo, pode ser. É preciso estar atento à duração dela em nós. Continuo o acompanhamento médico e tenho tentado diminuir meu ritmo de vida.
 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade