Publicidade

Correio Braziliense

Peça emblemática de Chico Buarque, Roda Viva volta 50 anos depois da estreia

Grupo Oficina, de José Celso Martinez Corrêa, atualizou a peça de Chico, incluindo críticas a Trump e Bolsonaro


postado em 04/12/2018 10:10 / atualizado em 04/12/2018 10:10

Zé Celso incluiu a recente 'Caravanas' no repertório do musical(foto: Jennifer Glass/Divulgação)
Zé Celso incluiu a recente 'Caravanas' no repertório do musical (foto: Jennifer Glass/Divulgação)
 

 

Roda viva, a primeira peça de Chico Buarque, escrita em 25 dias quando o cantor e compositor tinha 24 anos, volta depois de 50 anos pelas mãos do diretor José Celso Martinez Corrêa, do Teatro Oficina, que encenou o texto no Rio, em Porto Alegre e São Paulo em 1968.

A estreia é nesta quinta, 6, no palco do Sesc Pompeia, e a montagem terá somente quatro apresentações naquele espaço. Trata-se da Roda viva de Chico Buarque, mas com pitadas genuínas do Oficina, que devem garantir um mínimo de polêmica: várias referências ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, com uma série de imitações do político.

Depois do Sesc, a montagem segue para a sede do Oficina, na Bela Vista, dia 23, para uma temporada até 10 de fevereiro. A produção, estimada em R$ 800 mil, com apoio do Sesc e do Itaú Cultural, tem mais de 60 profissionais envolvidos, dos quais 5 são protagonistas, um coro de 20 artistas, 7 músicos e mais de 30 técnicos.

Nem poderia ser diferente. A versão atual da peça une na autoria os nomes de Chico e do Oficina e deve ser, como ele mesmo diz, atualizada no tempo. "Quando Chico escreveu a peça, por exemplo, não havia internet e hoje não há como fazer Roda viva sem esse elemento, sem redes sociais", diz. "Temos um presidente eleito graças a elas, então as redes não têm como ficar de fora." É o que se viu no palco do Oficina durante o ensaio aberto na última quarta-feira. Um smartphone gigante, usado como telão para as imagens em vídeo projetadas ao longo do espetáculo, divide o espaço com os elementos originais indicados no texto, como grandes imagens de São Jorge e uma garrafa de Coca-Cola. Ao longo da peça, são feitas várias referências a Facebook, Instagram e WhatsApp, sons característicos inclusos.

A história da ascensão e queda do cantor Benedito Silva começa com o coro já em cena, quando as portas são abertas e o público chega ao som de Caravanas, música do mais recente disco de autor de Roda viva. "O Chico de 74 anos está dando de presente para o Chico de 24 anos a canção", conta o diretor. Enquanto a banda toca Caravanas e o coro canta - a letra refere-se à horda de gente que desembarca em Copacabana para um dia de sol nos fins de semana -, as pessoas entram e logo constatam nos telões diversas imagens dos cordões humanos cruzando rios e descampados na América Central, a caminho da fronteira do México com os Estados Unidos da era Trump; outra atualização da peça.

"A grande diferença entre as duas montagens é que, em 1968, Chico havia assistido a O Rei da Vela e me chamou para dirigir Roda viva já com um coro pronto, impecável", conta Zé Celso. "Agora, criamos um novo coro, formado por atrizes e atores que já trabalham no Oficina há anos."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade