Publicidade

Correio Braziliense

Show reúne João Bosco, Toquinho, Ivan Lins e Tiê

Em entrevista ao Correio, Toquinho ressalta que o momento é de ter esperança no Brasil


postado em 08/12/2018 07:00

Toquinho e Ivan Lins são conhecidos pelo domínio dos instrumentos musicais a que se dedicam(foto: Gerlan Cidade/Divulgação)
Toquinho e Ivan Lins são conhecidos pelo domínio dos instrumentos musicais a que se dedicam (foto: Gerlan Cidade/Divulgação)

 
No decorrer da temporada de 2018, o brasiliense teve o privilégio de assistir a shows que reuniram em diferentes palcos grandes nomes da música popular brasileira. Hoje isso volta a ocorrer com Vozes da MPB, que marca o encontro no palco do auditório máster do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, três artistas contemporâneos,o paulista Toquinho, o carioca Ivan Lins e o mineiro João Bosco. Tiê, destacada cantora da nova geração é a convidada especial.

Representantes de vertentes diversas do nosso cancioneiro, eles têm em comum o fato de serem autores de composições que se tornaram clássicos e fazem parte da memória afetiva de muita gente. Certamente, o público vai se emocionar ao ouvir, ao vivo, músicas como Regra três, Samba de Orly, Tarde em Itapoã (Toquinho e Vinicius de Moraes), Começar de novo, Dinorah Dinorah e Lembra de mim (Ivan Lins e Victor Martins), Linha de passe, Kid Cavaquinho e O bêbado e a equilibrista (João Bosco e Aldir Blanc).

Parceiro histórico de Vinicius de Moraes num punhado de canções, Antônio Pecci Filho, o Toquinho, aos 72 anos e cinco décadas de carreira, é detentor de uma obra expressiva, materializada por 450 composições e 80 discos. Tido como exímio violonista, ele é elogiado também por seus acordes e harmonias bem elaboradas.
Autor de músicas gravadas por renomadas cantoras nacionais e internacionais como Elis Regina, Barbra Streisand, Ella Fitzgerald e Sarah Vaughan, Ivan Lins, com 50 anos de carreira construiu um acervo de 35 discos e 400 canções. Em 2009 e 2015 foi agraciado com o Grammy Latino, na categoria melhor álbum de MPB.

Descoberto por Vinicius de Moraes, quando era estudante se engenharia, em Ouro Preto, João Bosco está comemorado 45 anos de trajetória musical. Artista com trabalho reconhecido e aplaudido nacional e internacionalmente, esse mineiro de Ponte Nova lançou 25 CDs e emplacou incontáveis sucessos, gravados por ele e por expoentes da MPB – de Clementina de Jesus a Chico Buarque. Em 2012 foi o grande homenageado da 23ª edição do Prêmio da Música Brasileira.
 
João Bosco comemora 45 anos de uma carreira que tem clássicos como O bêbado e a equlibrista(foto: Conteúdo Comunicação/Divulgação)
João Bosco comemora 45 anos de uma carreira que tem clássicos como O bêbado e a equlibrista (foto: Conteúdo Comunicação/Divulgação)
 

Lançada por Toquinho, a paulistana Tiê iniciou a carreira como backing vocal do cantor, compositor e violonista, com quem já excursionou pelo exterior. Entre canções de sua autoria estão Mexeu comigo, Para alegrar meu dia e Passarinho. Uma outra, A Noite, fez parte da trilha sonora da novela I love Paraisópolis.

SERVIÇO
Vozes da MPB
Show com Toquinho, João Bosco e Ivan Lins, com a participação de Tiê, hoje, às 21h30, mo auditório master do Centro de Convenções Ulysses Guimarães (Eixo Monumental). Ingressos: R$ 200 (poltrona front gold), R$ 150 (poltrona gold), R$ 130 (poltrona lateral), R$ 100 (poltrona A), R$ 80 (poltrona B), R$ 60 (poltrona superior) — valores referentes a meia entrada. Os 400 primeiros assinantes do Correio têm 55% de desconto ingresso na inteira. Pontos de venda: piso G2 do Brasília Shopping. Não recomendado para menores de 14 anos.


Entrevista// Toquinho



Esse formato de show é o mais viável atualmente? 

É um formato que tem agradado ao público, com lotações dos teatros. Sob alguns aspectos, não deixa de ser uma homenagem a esse mesmo público, que pode usufruir de vários talentos da MPB num só espetáculo. Na verdade, há mais ou menos quatro anos que estamos apostando nesses encontros de artistas para realizar shows para públicos maiores. Não se deve exatamente a uma comemoração específica e, sim, a uma coincidência de interesses artísticos. Os longos anos de carreira contribuem para a interação entre nós. Percebemos que seria oportuno juntar todos no palco pela sincronia musical que nos caracteriza. E resultou num show cuja dinâmica melódica se completa pelo bom humor alicerçado na longa amizade que nos une. Atuando juntos ou separados, o show flui numa constante parceria.

A ideia de incluir Tiê, uma artista da nova geração, no elenco do show foi sua? 

Tiê gravou comigo sua primeira canção e viajamos para uma série de shows pelo Brasil e pela Europa, fazendo a parte mais intimista do espetáculo. É um prazer tê-la conosco neste encontro. Ela que já conquistou um público internacional, com apresentações em Portugal e Estados Unidos. E sempre que surge uma oportunidade, aproveito para desfrutar de seu talento. Tiê tem voz suave e timbre sempre afinado. Canta e toca violão de uma maneira delicada, parecendo levitar no palco de uma forma que agrada e aproxima a plateia, além da sua fluência e versatilidade na escolha do repertório.

Tiê é uma descoberta de Toquinho(foto: Daryan Dornelles/Divulgação)
Tiê é uma descoberta de Toquinho (foto: Daryan Dornelles/Divulgação)

Qual foi o critério para a escolha do repertório do show?

Buscamos cantar clássicos de nossa obra, nas quais certamente teremos o público nos acompanhando e vibrando. São canções que, de alguma forma, já tocaram o coração de quem as ouve.

O Vozes da MPB chega a Brasília — capital do poder — num momento de transição política. Qual a sua visão do Brasil que emergiu das eleições?

Sou brasileiro e sonho, como todos, com um Brasil melhor, mais justo. Jair Bolsonaro foi o vencedor, e espero que ele governe para todos, unindo o país, com atitudes e decisões que busquem com transparência o desenvolvimento econômico, a justiça social, melhoria da qualidade dos setores essenciais (educação, saúde e segurança), com redução do desemprego, do índice de pobreza e da imensa e perversa desigualdade social. Desejo sobretudo que sejam superados os rancores, para construirmos um novo momento para o país, sem deixarmos jamais de “cobrar o preço da liberdade que é a eterna vigilância.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade