Publicidade

Correio Braziliense

Artistas da cidade utilizam sucata para construir instrumentos

Singulares e inventivos, as peças chegam próximos dos tradicionais


postado em 19/12/2018 06:30 / atualizado em 19/12/2018 06:35

(foto: Paula Froess/Divulgacao)
(foto: Paula Froess/Divulgacao)


Márcio Vieira, 59 anos, integrante da companhia circense Udi Grudi, aliou os aprendizados em engenharia elétrica aos conhecimentos musicais na hora de construir os próprios instrumentos. Entre os componentes que utiliza estão materiais reaproveitados, tais como garrafas pet, latas, canos de papelão e outros objetos que garantem singularidade ao som, reduzem custos de produção e, consequentemente, tornam os instrumentos ecologicamente sustentáveis.

Márcio é mais um dos artesãos de Brasília que arregaça as mangas para fazer as próprias ferramentas de trabalho levadas ao palco. Ele começou a prática ainda nos anos 1980. Era multi-instrumentista — tocar flauta doce era mais uma de suas brincadeiras na infância — e frequentava a faculdade de engenharia elétrica. Ali, conheceu um músico que fazia o próprio saxofone de bambu. “Isso me interessou muito”, conta.

Depois do primeiro contato com instrumentos feitos com materiais alternativos, procurou entender mais sobre o assunto. “Encontrei livros que falavam sobre o funcionamento de instrumentos musicais fazendo analogia com a engenharia elétrica”. Relacionando sons com números, passou a se engajar na criação dos instrumentos e a compartilhar o conhecimento em oficinas.

Para o músico, o fator ecológico é consequência da curiosidade. “A questão sustentável me toca, mas sei que não vou resolver o problema do mundo fazendo instrumentos musicais. Mas isso contribui para uma percepção de que os materiais podem ser reaproveitados, não precisa jogar tudo fora, podem ter outra utilidade”, pondera. Ele explica que a motivação principal parte da vontade de experimentar novas sonoridades. “O que me atiça é a quantidade de materiais que disponíveis, a serem explorados.”

A diferença entre objetos que emitem som, o que ele chama de fontes sonoras, e os instrumentos musicais, é o uso dado a esses objetos. “Agora, um instrumento musical é uma coisa diferente de uma campainha. A diferença entre um instrumento e uma fonte sonora é o tratamento dado àquela fonte. Hermeto Pascoal é um gênio e tudo que ele toca, ele transforma em instrumento musical. É o tipo de atitude necessária quando se produz instrumentos musicais alternativos”, elucida.



Percussão de papel

A forte energia passada para os tambores não danifica os instrumentos feitos com papel nas apresentações do grupo Som de Papel, idealizado por Juraci Moura, 44 anos. Inspirado por expoentes do manguebeat, como Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A, ele explora o ritmo abrindo mão de instrumentos tradicionais. No lugar dos convencionais elementos de percussão, o grupo de Brasília tem bateria, atabaque, alfaia e pandeiro construídos com saco de cimento. “É resistente”, garante o músico baiano.

Além da questão ecológica e da vontade de criar novas sonoridades, ele se preocupa com o uso da pele animal nos instrumentos. “O grande norteamento do projeto é a educação musical e ambiental, trazer pesquisas de alternativas sem pele de animal. É uma nova tecnologia sendo explorada, fazemos música sem a indústria, construindo nossos próprios instrumentos”, explica.

Ele aprendeu a fazer materiais artesanais no Mercado Sul, há oito anos. “Desde esse período, trabalho com esses materiais alternativos”, conta o música, que além de divulgar o material com a própria banda, oferece oficinas. Os pandeiros de papel custam apenas o valor da mão de obra, que já que, praticamente, todo o resto é reaproveitado. “Na fibra do saco de cimento tem fibra de bambu, gera um som quase perfeito, em nível de couro, de pele hidráulica. Os instrumentos artesanais chegam bem próximos ao tradicional. A característica do som é diferenciada. A base é bem precisa. Tem pegada de percussão tradicional”, explica. Agora, o grupo se prepara para lançar o primeiro disco, Sonoridade orgânicas, de músicas autorais.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade