Publicidade

Correio Braziliense

Conto de Caio Fernando Abreu inspira espetáculo 'Lixo e purpurina'

Espetáculo da Foco Cia. de Dança é adaptação de texto do escritor


postado em 20/12/2018 06:30 / atualizado em 20/12/2018 07:37

As palavras do escritor regem o espetáculo de dança(foto: Renato Fernandest/Divulgacao)
As palavras do escritor regem o espetáculo de dança (foto: Renato Fernandest/Divulgacao)

 

“O professor de desenho me vê com um livro de reproduções de Magritte na hora do almoço e diz que Magritte pintava sonhos, e que é impossível ter sonhos às seis da manhã numa estação de metrô. Me surpreendo arranjando energia para contestar. E digo, no meu inglês péssimo, que, se a realidade nos alimenta com lixo, a mente pode nos alimentar com flores.” Foi a partir deste trecho, do conto Lixo e purpurina, do célebre escritor Caio Fernando Abreu, que surgiu a inspiração para o espetáculo de dança idealizado pela Foco Cia de Dança.

“Durante o carnaval, as pessoas se enchem de glitter e purpurina e parece que, durante este período ,os problemas não existem. É justamente essa temática que nos trouxe a inspiração”, conta Renato Fernandes, que assina a direção. A coreografia é assinada pelo carioca Mickael Veloso que, pela segunda vez, faz trabalho em parceria com a companhia brasiliense.

Apesar de ser uma apresentação de dança, não é a música que rege o espetáculo. “Algumas das cenas são silenciosas, somente com a respiração e com os sons produzidos pelos próprios bailarinos. Quando há música é apenas uma forma de ambientar, de desenvolver uma atmosfera ao espetáculo”, diz o diretor. “O foco são os movimentos que os bailarinos fazem, a versatilidade que possuem, que, mesmo muito doloridos pelos sacrifícios que a dança exige, têm que se enfeitar, botar um sorriso no rosto e fazer a dança, não importando o quão complicado foi chegar até ali. É isso que a dança oferece”.

Não é somente um espetáculo adaptado de uma obra, é um espaço de resistência. “(Na atual situação do país) Ainda estamos nos cicatrizando e nos preparando para o que vem pela frente, o palco é um grande palanque que dá voz aos bailarinos, coreógrafos e à nossa companhia, esperamos que gere um momento de reflexão interna, falar bastante de temas atuais, de resistência e de representatividade”, afirma Renato. “É uma apresentação que dá voz às mulheres, é muito feminino, não exatamente feminista, mas um espetáculo que entende o corpo da mulher e a coloca em um lugar de equidade com os homens”.

Segundo o diretor, a coregorafia vai incomodar e colocar o dedo na ferida. “Abertamente e sem rodeios, esperamos que seja uma apresentação que faça as pessoas pensarem um pouco a respeito do seu lugar de privilégio, de decisões e escolhas e como elas impactam o todo”, diz. Esta será a última apresentação do espetáculo Lixo e purpurina este ano. No entanto, a Foco Cia de Dança já se prepara para apresentar o show em festivais futuros.


Lixo e purpurina
Teatro Sesc Garagem (713/913 Sul). Hoje, às 20h. Ingressos R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada). Não recomendado para menores de 16 anos.




A inspiração
Caio Fernando Abreu foi um jornalista, dramaturgo e um dos mais queridos e importantes escritores da literatura brasileira. Conquistou três prêmios Jabuti ao longo da carreira, na categoria Contos, Crônicas e Novelas, pelos livros O triângulo das águas, Os dragões não conhecem o paraíso e Ovelhas negras, obra que contém o conto Lixo e purpurina. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade