Publicidade

Correio Braziliense

'Nunca tive tanto dinheiro. Nunca estive tão insatisfeito', diz Felipe Neto

Em uma série de tuítes, youtuber diz que as pessoas ainda ligam a quantidade de dinheiro na conta bancária à resolução de todos os problemas na vida. Segundo ele, os problemas só mudam de nome


postado em 21/12/2018 13:00 / atualizado em 21/12/2018 13:35

(foto: Divulgação/ Youtube Felipe Neto)
(foto: Divulgação/ Youtube Felipe Neto)
 
Dinheiro não traz felicidade. Esse foi o debate que o youtuber Felipe Neto trouxe à tona na noite da última quinta-feira (20/12), nas redes sociais. Em uma série de tuítes, o criador de conteúdo desabafou sobre a pressão que vem sentido nos últimos meses e diz que, apesar dos milhões faturados, as preocupações apenas mudaram de nome. 

Segundo Neto, o fato de desacelerar projetos não significaria apenas uma pausa no trabalho, mas um prejuízo de milhões na conta, tem impacto direto na forma como vem conduzindo a vida pessoal. "Eu nunca ganhei tanto dinheiro em toda a minha vida e eu nunca estive tão insatisfeito em toda a minha vida. Ganhar milhões por mês impacta ZERO na sua real felicidade se isso significar não ter tempo e disposição pra mais nada além do trabalho", tuitou.

O youtuber argumentou, ainda, que as pessoas corriqueiramente atrelam a resolução de problemas e a felicidade à prosperidade financeira. "Eu venho realizando a cada dia sobre como a nossa felicidade diária não está associada a falta de preocupação, porque você SEMPRE terá preocupação. Quando você você fica rico, as preocupações só mudam de nome, você segue no mesmo nível de infelicidade e frustração", diz.

Em clima de renovações de ano-novo, Neto terminou o desabafo alegando que irá desacelerar e tentar ser mais feliz. "2019 será um ano diferente para mim, vou tentar ser mais feliz e se isso significa ser menos rico, so be it", concluiu.

O tuítes geraram reações de seus seguidores, que foram desde de os bem humorados "paga a mensalidade atrasada da minha faculdade que vai te deixar melhor" ao "resolvo seu problema, deposita da minha conta". Neto recebeu, também, mensagens de apoio e incentivo, principalmente no sentido de investir em causas sociais. "Dê um propósito pro seu dinheiro. Use ele pra montar projetos sustentáveis e transformadores, especialmente pro seu público-alvo, que é o jovem. Como formulador de políticas, te digo: dá pra começar aos poucos e ir intensificando”, aconselhou um seguidor. 
 
 



Relembre a trajetória de Felipe Neto


Nascido no Rio de Janeiro, Felipe Neto cresceu na periferia da cidade maravilhosa entre as favelas do Céu Azul, São João e Jacarezinho. De acordo com relatos do próprio criador de conteúdo, publicado em vídeo, no próprio canal intitulado Draw my life, a infância dele foi marcada pela dificuldade da mãe em criar ele e o irmão. "O dinheiro era quase inexistente, mas minha mãe se entregava de corpo e alma para que a gente tivesse alguma dignidade", disse. 

Antes de surfar na onda de youtuber, Neto trabalhava com teatro, mas já mostrava enorme propensão para o empreendedorismo. Aos 15 anos, descobriu o design gráfico com quem trabalhou durante um período e chegou a fundar a empresa Inova Estúdio, que acabou fechando as portas. "A verdade é que eu era bom em criar as coisas, mas não era bom em cuidar delas depois que tinha criado", diz.

Após cair em depressão, e levar um golpe de uma quadrilha que o deixou "sem nenhum centavo", Neto chegou a dever para a família. Foi aí, então, que começou a gravar vídeos como uma forma de voltar a atuar. Em 2010, o youtuber se lançou na plataforma que, até então, era apenas um site de hospedagem de vídeos.

No canal, que se chamava Não Faz sentido, interpretava um personagem crítico às modas adolescentes. Tirava sarro de produções como Crepúsculo, Cinquentas Tons de Cinza e bandas como Restart e o cantor Justin Bieber eram comuns em suas postagens. Apesar do canal de Felipe ter passado por uma reformulação de conteúdo, ainda é possível encontrar os vídeos do Não faz sentido na atual plataforma.



Em meados de 2014, Felipe Neto, que somava 3 milhões de seguidores na época, experimentou o declínio do canal Não Faz Sentido para o qual não gravava mais vídeos com frequência. O culpado, segundo ele, foi o formato crítico e cansativo que adotava nos vídeos, não conseguindo desatrelar o personagem dos vídeos da pessoa Felipe Neto. "Minha imagem era a do cara revoltado que falava muito palavrão e isso estava sendo prejudicial para o meu trabalho principal que era de empresário", conta no YouTube.

Na mesma época, Felipe desfrutava dos ganhos da sua empresa Paramaker, uma network dentro do YouTube, que chegou a gerenciar mais de 5 mil canais, incluindo contas famosas como a do canal Parafernalha, atualmente como 11 milhões de inscritos. Apesar da empresa ter tomado grandes proporções, o youtuber abandonou o cargo de CEO e vendeu as ações da network para um multinacional Francesa em 2015 para voltar a se dedicar ao canal.

Após a decisão, o youtuber mudou o nome do canal apenas para Felipe Neto e vem crescendo exponencialmente nos últimos três anos conquistando mais de 28 milhões de inscrito nesse período. Atualmente o canal de Felipe é o terceiro maior do Brasil na plataforma, ficando atrás apenas da produtora musical Kondzilla e do humorista Whindersson Nunes. "O youtube me trouxe a felicidade eu sempre procurei, a alegria de fazer o que mais amava, criar conteúdo, alegrar as pessoas e divertir”, disse em vídeo. 
 
* Estagiária sob supervisão de Anderson Costolli 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade