Publicidade

Correio Braziliense

Restaurantes aproveitam o movimento da cidade para abir neste fim de ano

Opções nos restaurantes da cidade vão do italiano nhoque ao gaúcho galeto sem deixar delícias, como figo e lentilha de fora


postado em 29/12/2018 09:55

O chef Lui Veronese investe no figo para atrair sorte para 2019(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press - 16/1/18 )
O chef Lui Veronese investe no figo para atrair sorte para 2019 (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press - 16/1/18 )


De quatro em quatro anos, Brasília atrai centenas de visitantes no primeiro dia do ano. Para alegria dos donos de restaurantes, as casas ficam cheias. São pessoas que vêm de fora ou que permanecem aqui, apesar do feriado, para comparecer às posses que são duas: a do governador do Distrito Federal, pela manhã, e a do presidente da República, à tarde.

Em matéria de gastronomia, há dois tipos de turistas: os que adoram conhecer sabores novos e os que preferem mais do mesmo, isso é, comer algo que não ponha em risco suas papilas. É possível ainda que o inusitado para um grupo venha a ser o trivial para o outro — afinal, este país tão grande, de dimensão continental, apresenta várias culinárias,  mineira, nordestina, amazonense, baiana, gaúcha — , sem falar na internacional, que é a que predomina na capital. Como a italiana.

Na Trattoria Da Rosario (QL 17 Lago Sul), o réveillon não tem mais vaga, mas, no almoço de terça-feira, dia 1º, o chef napolitano vai servir o mesmo cardápio da véspera, à base de peixe, com carpaccio de salmão defumado com caviar preto; papardelle com camarões e aspargos salteados e bacalhau ao forno com risoto de açafrão. “Estamos preparados para servir na terça as iguarias do menu festivo, como trufas”, garante o proprietário Rosario Tessier, que tem em Francesco Bruno, outro chef talentoso, o seu braço direito. Os dois discutem cardápio em italiano.
Nhoque é uma das apostas do Don Romano, no Lago Sul(foto: Mid Comunicação/Divulgação)
Nhoque é uma das apostas do Don Romano, no Lago Sul (foto: Mid Comunicação/Divulgação)
 

Se o cliente optar por carne, o menu sugere carpaccio de carne; capeletti recheado de Parma e queijo ao creme de grana padano e trufa negra, além de bisteca de cordeiro com risoto de cogumelos. Com petit gâteau, os menus saem por R$ 250, cada. Reservas pelo telefone: 3248-1672.

Outro italiano, também no Lago Sul, o Don Romano, na QI 11, abre as portas às 14h com um cardápio enxuto, que oferece o filé alla parmigiana (R$ 129, serve de duas a três pessoas); o nhoque por R$ 41 e o risoto de funghi (R$ 39). Pelo menos 48 paranaenses que vêm de Curitiba para a posse já fizeram reserva pelo 3248-0078.

Pegada gaúcha


Para a turma que ama galeto, como é feito na Serra Gaúcha, há, em Taguatinga, um restaurante com esse nome. Fica no Pistão Sul e oferece rodízio por R$ 44,90, inclusive no almoço do dia 1º de janeiro, até as 15h. Na véspera, dia 31, há lombo suíno com chimichurri acompanhado de arroz com amêndoas, salpicão, farofa, salada, polenta frita e talharim, por R$ 150, que dá para até quatro pessoas. Telefone: 3352-5353.

O premiado chef Marcelo Petrarca deu férias coletivas às equipes do Bloco C, que volta a funcionar dia 7, e do Lago, que reabre dia 8, mas o Reverso, restaurante de cozinha contemporânea, como os outros, que funciona no térreo do Hotel Blue Tree Jade (atrás do CasaPark), está aberto 24 horas. No réveillon, há um cardápio especial (R$ 200, por pessoa), cujos destaques são o salmão ao molho de champanhe com frutas vermelhas, paleta de cordeiro ao forno com batatas ao murro e lombo suíno recheado de ameixas e damasco, além de saladas e acompanhamentos. Brunno Petrarca, irmão do chef que dirige a casa, sugere, para o dia primeiro, filé com rapadura, “um must do Bloco C”. Sai por R$ 71. Telefone 3247-9080.

Mais perto

Situado no Eixo Monumental, num ponto estratégico de onde se vê a Esplanada, a Torre de TV e o Mané Garrincha, o B Hotel está lotado, com todos os aposentos reservados para a posse, mas a boa cozinha do mais novo hotel da cidade se volta para o público. Normalmente, há um bufê de saladas com um prato principal. Neste primeiro dia do ano, porém, o cardápio será a la carte, informa a diretora Ana Paula Ernesto. Como sugestão, o chef Rodrigo Sato destaca o filé-mignon com risoto de funghi por R$ 76.
 
Rodrigo Sato comanda a cozinha do B Hotel: filé-mignon com risoto de funghi(foto: Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/D.A Press)
Rodrigo Sato comanda a cozinha do B Hotel: filé-mignon com risoto de funghi (foto: Raimundo Sampaio/Esp. Encontro/D.A Press)
 

Outro hotel, repleto de hóspedes para a posse é o Windsor Brasília (antigo Naoum), no Setor Hoteleiro Sul. Lá, o menu do dia primeiro sai por R$ 72, mais as taxas, e inclui picanha brasileira, picadinho de filé e salmão, além de saladas e sobremesas variadas. Telefone: 2195-1900.

Do Pontão para a Esplanada é um pulo e naquele que é um dos cartões-postais da cidade haverá réveillon superespecial, que atravessa a madrugada. No dia seguinte, poucos restaurantes abrem, como o Sallva, no qual o chef Lui Veronese fará “uma massa fresca do dia para revigorar as forças gastas na véspera”. Ele sugere ravióli recheado de muçarela de búfala com Parma ao molho branco com figo por R$ 69. A partir das 13h até a meia-noite. Reservas pelo 2522-4352.

Lentilha na véspera

O novo A Mano (411 Sul) não vai abrir na terça nem no réveillon, por isso, você poderá degustar o lendário prato de lentilhas típico da passagem do ano no almoço de segunda. O chef Ronny Peterson prepara uma prime rib com crosta de ervas, que servirá com lentilhas, por R$ 92. “A casa reabre dia 2”, avisa o chef. Telefone: 3245-8235.

Visitantes e brasilienses amantes da cozinha nordestina não sentirão falta dos pratos prediletos, a não ser no réveillon. “Os restaurantes Mangai e Nau funcionarão dia 31 no almoço e dia primeiro, até as 23h”, garante Lorena Tavares Ilha, diretora do Grupo.
 
 
 
 
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade