Publicidade

Correio Braziliense

Artista revela visual de monstro de 'Bird box' cortado do filme

Sandra Bullock chegou a gravar cena em que personagem sonhava com a criatura


postado em 02/01/2019 18:25 / atualizado em 02/01/2019 18:25

Sandra Bullock riu ao ver criatura que representaria o monstro da trama(foto: Netflix/Divulgação)
Sandra Bullock riu ao ver criatura que representaria o monstro da trama (foto: Netflix/Divulgação)

 

O artista de efeitos visuais Howard Berger revelou no Instagram imagens do visual de um dos monstros do longa Bird box, da Netflix. A escultura foi desenvolvida por Andy Bergholtz e a maquiagem aplicada no ator Dirk Rogers, como mostram as imagens publicadas. A cena em que a criatura aparecia chegou a ser gravada com Sandra Bullock, protagonista do filme, mas foi excluída da versão final. 

 

“Era um homem verde com uma cara horrível de bebê. Parecia uma cobra e eu pensava ‘eu não quero nem ver quando for a hora. Traz logo e vamos gravar essa cena'. (…) Quando me virei e vi, eu ri. Parecia um bebê bem gordo”, contou a atriz em entrevista. Howard Berger afirmou ser decepcionante ver o trabalho ser cortado, mas entendeu a preferência e concluiu ser algo bom para o resultado final. Confira como ficou:

 

 

 

“Acabei de assistir Bird box na Netflix e achei muito legal. Infelizmente, a criatura que nós criamos na KNB está ausente no corte final. Andy Bergholtz esculpiu e pintou as próteses. Stephen Prouty foi ao set e aplicou a maquiagem no ator Dirk Rogers. É sempre um pouco decepcionante quando tanto trabalho é investido em algo que acaba cortado, mas eu entendo e sempre melhor para o produto final”, diz o artista.

 

Para o portal Bloody Disgusting, o roteirista Eric Heisserer e a diretora Susane Bier explicaram que a cena era exigência dos produtores. A cena em que Malorie (personagem de Sandra Bullock) sonha com a criatura foi escrita por Heisserer e gravada, mas descartada. A diretora também afirmou que mostrar o monstro poderia se tornar engraçado e fugir da proposta do filme.

 

"O que quer que sejam essas criaturas, elas mexem com seu medo mais profundo. E o medo mais profundo de cada um vai ser diferente do de outra pessoa", explicou Susane. "Eu acho que criar uma forma concreta para ilustrar isso enfraquece o conceito. Tentar ilustrar isso não faz sentido, seria a decisão errada."

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade