Publicidade

Correio Braziliense

Educação musical para jovens ajuda em vários aspectos

A educação musical para crianças e adolescentes ajuda não só no desenvolvimento técnico, mas também em aspectos como melhora da desenvoltura e perda da timidez


postado em 03/01/2019 06:30

O Projeto Reciclando Sons leva música para crianças e jovens da Estrutural(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
O Projeto Reciclando Sons leva música para crianças e jovens da Estrutural (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

“Eu acredito que a música pode mudar a vida das pessoas”, proclama a produtora cultural Daniela Rueda. Pensando no potencial transformador da arte, ela tomou a frente do projeto Coral e Orquestra Jovem. A iniciativa, criada pelo maestro carioca Jorge Ramos, tem apoio do FAC (Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal), e oferece aulas gratuitas de educação musical para crianças e adolescentes no Distrito Federal.

A primeira edição do projeto começa neste mês. A partir de 8 de janeiro, a Casa de Cultura do Núcleo Bandeirante recebe quatro oficinas destinadas ao público de 12 a 18 anos de idade. As aulas vão até o segundo semestre e, ao final das oficinas, os alunos realizarão cinco apresentações, colocando em prática os ensinamentos do curso.
 
“A ideia é alcançar adolescentes e jovens do DF, em especial da região Núcleo Bandeirante, Guará e Riacho Fundo 1, áreas bem carentes desses processos de construção cultural”, explica Daniela. A coordenadora ressalta que a iniciativa busca levar os ensinamentos musicais para pessoas que não têm condições de acessar esse tipo de trabalho, ou manter uma carreira na música erudita, por exemplo.


“Brasília tem instituição como a Escola de Música e a Escola do Clube do Choro, que formam músicos. Entretanto, uma pessoa que estudou percussão erudita, por exemplo, precisa ter condições financeiras para manter esse instrumento”, conta Daniela.

Gabriel Rodriguez será responsável pelo curso no projeto Coral e Orquestra Voz Jovem(foto: Webert da Cruz/Divulgação)
Gabriel Rodriguez será responsável pelo curso no projeto Coral e Orquestra Voz Jovem (foto: Webert da Cruz/Divulgação)

 
 
Por isso, além de introduzir a música na vida de adolescentes, o projeto Voz Jovem terá atividades, como criação de instrumentos musicais, por exemplo. “Teremos oficinas de construção de instrumentos voltados para ideia da reutilização de material. Vamos trabalhar com materiais como papelão e sacos de cimento”, afirma Daniela.

Não para por aí: o Voz Jovem também terá aulas de restauração de instrumentos. Para isso, a equipe está arrecadando instrumentos de cordas usados. “A gente quer conseguir 35 peças, que podem estar em qualquer estado”, ressalta a coordenadora.

O responsável pelas aulas de restauro de ferramentas musicais é o músico uruguaio Gabriel Rodriguez. Ele explica como serão as oficinas: “O participante não precisa saber de nada, ele pode começar do zero. Vai aprender a reconhecer o tipo de instrumento musical, reconhecer matérias-primas, peças e componentes do instrumento”, conta.

Otimista com o resultado das oficinas, Daniela acredita que a educação musical tem um papel muito importante na construção da vida de crianças e adolescentes. “Ele tem um potencial de experimentação muito grande. Pode ser que não forme um grande músico, mas com certeza vai formar um jovem com sede de experimentação, que pode ter a oportunidade de dizer ‘esse projeto mudou a vida’. Com os ensinamentos das oficinas, esses adolescentes podem trabalhar com marcenaria,  com moda, com material reutilizado, virar um grande músico, um cantor, uma cantora. O Voz Jovem traz a ideia de que a música é para todos e todas”, afirma a produtora.
 

Aprendizado que muda vidas

 
A mudança de vida por meio da música é a principal característica observada  pela maestrina Rejane Pacheco, que comanda a orquestra e a organização do Instituto Reciclando Sons, na Estrutural. Há 17 anos, a iniciativa atua com crianças e adolescentes da região, dando aulas de música. O projeto recebe cerca de 150 alunos por semestre e, em todos os anos de existência, já acolheu 4 mil alunos.

“A arte envolve, capacita, inspira”, ressalta Rejane. Ela explica que a educação musical tem um papel que vai além do quesito técnico. “O impacto é extremamente positivo na melhoria de aspectos cognitivos e comportamentais, melhoria da autoestima, diminuição na agressividade, diminuição na timidez… Além disso, a educação musical dá uma visão de mundo mais apurada para esses jovens”, afirma a maestrina.

Atualmente, o Reciclando Sons atende crianças pelo período da manhã, jovens durante a tarde, e os pais dos participantes nos fins de semana. “Tive que convencer as famílias do valor da educação musical. Trouxe um envolvimento da comunidade”, explica Rejane.

Em fevereiro, serão abertas novas turmas para crianças e adolescentes que desejam participar da iniciativa. O projeto é gratuito e qualquer um pode se inscrever, mas pessoas em situação socioeconômica vulnerável têm prioridade no preenchimento de vagas. A data de inscrição pode ser acompanhada por meio do site reciclandosons.org.br.

“A música é uma tecnologia de desenvolvimento humano, porque trabalha com o emocional, o físico, o raciocínio lógico e a percepção da razão dentro de comunidades vulneráveis, que vivem problemas diários. Ela os ajuda a saírem da comunidade e criarem uma nova perspectiva de um mundo mais bonito”, ressalta a maestrina. (RB)


Saiba como ajudar
Se você tem um instrumento de corda sem uso em casa e deseja doar para o projeto Voz Jovem, basta entrar em contato pelo telefone 98127-7422 ou pelo e-mail  projetovozjovem@gmail.com. A equipe combinará a data e o local mais apropriado para buscar o instrumento. Além disso, existem pontos de coleta para doações: Jovem de Expressão (EQNM 18/20, Bl. C, Praça do cidadão, Ceilândia Norte; 3372-0957), Espaço Cultural Moinho de Vento (EQ 304/307, Cj.C, Santa Maria; 98122-8611) e Ocupação cultural Mercado Sul (St. B Sul, QSB 13, Taguatinga Sul; 98668-5548). 

*Estagiária sob supervisão de Severino Francisco


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade